Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O ltimo a sair apaga a lmpada!

10 de Junho, 2019
É verdade. O nosso caso não é único e muito menos original. Há uma mão cheia delas, espalhadas um pouco por todo o mundo.Mais para os mais atentos como eu, que acompanharam milimetricamente a entrevista feita com exclusividade pela rádio 5, ao nacionalista, homem do desporto e da cultura, Rui Mingas, ocorrida no mês passado, não podia ficar indiferente, a tamanha sorte que já tivemos, que por esses dias nos tem sido uma madrasta daquelas!

Porém um senão
Criticar o actual estado do desporto em Angola e falar mal sobre o actual estado do desporto em Angola não são, necessariamente, sinónimos e não podem ser exactamente a mesma coisa e podem até acidentalmente entrar em conflito a dada altura do seu percurso que é sempre comum.
Até se provar o contrário, desde a sua linha de partida e ao longo de toda a sua trajectória, nestes mais de 40 anos de Angola independente, só nos faltava, o facto de que, depois de termos falhado tanto, de termos errado tanto, ou no mínimo, da maioria de nós, e porque não todos nós (?) termos permanecido pávidos e de “xinini”,e ainda por cima no silêncio enquanto assobiávamos de lado, e assistíamos, qual treinadores de bancada, os inúmeros erros e disparates que se foram amontoando com o passar das décadas no desporto nacional, chegarmos agora ao ponto de querer separar, como ovelhas dos cabritos se tratassem, aqueles ainda amam o desporto angolano e falam tão bem dela, com aqueles que criticam e o que falam mal do actual estado do desporto nacional, só porque, eventualmente terão visões diferentes quanto á forma de materializar os seus sentimentos!
Se conseguirmos chegar a este entendimento, já será meio caminho andado, para um dia destes sentarmos à volta da mesma mesa e olhos nos olhos podermos então traçar um rumo, um destino, que há muito foi adiado, para o desporto nacional.
Mas afinal, o que terá falhado? O que falhou? Porque se falhou?
Usando a entrevista de Rui Mingas, dada a rádio 5, como referência, decidi fazer uma longa viagem pelo túnel do tempo e em seguida fazer uma desarrumação no meu arquivo de entrevistas feitas a pessoas que em tempos idos foram muitos respeitadas, ora pela sua verticalidade, ora pela sua frontalidade na abordagem dos fenómenos e “vultos” estranhos que nas últimas décadas foram gravitando a volta do desporto nacional, como são os casos de Victor Geovety Barros, Zeca Martins, Silva Candembo, Carlos Teixeira “Cagi”, Armando Augusto Machado, entre tantos e tantos outros, levando-me a chegar a seguinte conclusão.
Se dúvidas ainda houvesse, a crise de valores e identidade que o nosso desporto atravessa, é prova clara de que existiu e ainda existe um grupo, uma turma, que está bem organizada e que estabelece os momentos e timings fulcrais para intervir, e em particular e a qualquer preço, com objectivo (in)confesso de colocar o desporto nacional, de uma forma geral e transversal, em xeque – mate, destabilizando-o na sua maneira de dirigir e gerir, para dai conseguirem avultados dividendos financeiros.
Face ao sucedido, encontramo-nos hoje diante de uma encruzilhada, relativamente as necessárias decisões que poderão ditar o nosso futuro e o de muitas gerações á nossa frente.
Facto que obriga-nos, depois de toda essa refrega, a que nos habituemos cada vez mais a ouvir os outros, por mais que as discordâncias sejam em número, género e grau, superiores aos grandes temas em que todos possamos estar de acordo.
É preciso lembrar que o desporto angolano é mais importante do que cada um de nós, e que temos á nossa frente umas das últimas oportunidades que a história nos dá para arregaçarmos as mangas e reconstruirmos uma realidade, sim uma certeza, que durante anos foi incompreensivelmente adiada.Hoje passei por aqui , só para deixar este recado! Obrigado!
*Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo
Zongo Fernando dos Santos

Últimas Opinies

  • 17 de Junho, 2019

    Perguntem a Qatar Airways ... se eu que me gabo!

    A Qatar Airways, uma das mais prestigiadas companhias aéreas do mundo e a que mais cresce actual e anualmente, com sede no emirado do oriente médio, apoia com muito orgulho uma ampla.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    A falta de patins

    A província da Huíla, que se assume como um viveiro de várias modalidades desportivos no país, como o atletismo, tiro aos pratos, karting, futebol, isto só para citar algumas, enfrenta hoje um verdadeiro dilema, no que diz respeito a massificação do hóquei em patins.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Palancas: prmios, direitos e patriotismo

    A questão que emergiu agora em Portugal, em tornos dos Palancas Negras, que reclamavam prémios, só acertado à ultima da hora, não é de hoje.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Que o Egipto nos ajude!...

    Uma década depois, os Palancas Negras voltam ao Egipto. Sob orientação de Oliveira Gonçalves, com então estatuto de mundialista, o "onze nacional" não foi capaz de se qualificar para outra fase. A presença naquele país assinalava o regresso dos Palancas Negras ao Campeonato Africano das Nações (CAN), cumprindo seis anos de ausência. Foi um CAN memorável, apesar do resultado não ter sido digno de um mundialista

    Ler mais »

  • 15 de Junho, 2019

    Histrico apagado

    Hoje, neste espaço de opinião “A duas mãos”, nos propusemos a falar do Atlético Sport Aviação (ASA), um clube histórico, que movimenta particularmente o futebol e cuja existência remonta desde 1 de Abril de 1953.

    Ler mais »

Ver todas »