Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O velho problema da adulterao de idades no desporto

10 de Janeiro, 2019
O fenómeno da adulteração de idades é antigo e acontece um pouco por todo o Mundo, não se limita só ao desporto, existem pessoas que adulteram a idade por motivos militares, para a obtenção de licença de condução, para estudar e assim, por diante.
Existem pessoas que usam a idade de irmãos mais velhos, ou mais novos, para diversos fins, como foi o caso de um antigo jogador de futebol de um grande clube de Benguela, na década de 60, a quem chamaremos Manelito.
Quando tinha 15 anos, Manelito jogava à vontade entre os mais velhos. Era um defesa central talentoso e impunha respeito aos adversários. Por isso, despertou o interesse de um dos clubes que disputava o campeonato distrital, no tempo do Portugal de Benguela, com o goleador -mor Januário Candengandenga, Miau e outros. Porém, o grande problema de Manelito era a idade. Com 15 anos, ele não podia jogar nos seniores, a menos que os pais permitissem. Os país dele já não faziam parte do Mundo dos vivos. Para resolver o problema, um dos dirigentes do seu novo clube, teve uma ideia “brilhante”.
Como ele conhecia as irmãs mais velhas de Manelito, contactou-as e descobriu que a diferença entre o Manelito e a irmã que ele seguia, era de três anos! Assim, com este dado, o dirigente malabarista usou das suas influências e fez um novo registo, com os mesmos dados da irmã, à excepção do nome, é claro.
Hoje, o homem tem 74 anos, no bilhete de identidade, todavia, na realidade tem 71 anos de idade. Como vemos, neste exemplo real, apenas mudamos o nome da pessoa, ao redor do Mundo existem milhares de casos parecidos.
Na década de oitenta, uma selecção municipal de sub-15 foi jogar com a sua similar da mesma província, que se situa a 30 km, para a taça provincial. No jogo da primeira mão, a equipa visitada venceu, por 4-1.
A equipa visitante precisava de ganhar no jogo de resposta, no mínimo, por 3-0. Em função da qualidade e do volume de jogo apresentado pela equipa visitada, o corpo técnico da visitante viu que não tjnha chance alguma, de vencer o jogo da segunda mão por 3-0.
Para resolver o assunto, o corpo técnico e os responsáveis da selecção, mobilizaram um jovem que na época tinha cerca de 20 anos de idade, embora, aparentasse a idade dos demais jogadores envolvidos na eliminatória.
No jogo de resposta, a selecção venceu por 5-0, com quatro golos do “super reforço”, embora fosse semi-franzino, era mais velho e ainda por cima, muito craque. Os dirigentes, o corpo técnico e os jogadores da equipa visitante, limitaram-se a murmurar: “não pode, este gajo é mais velho…vamos protestar o jogo”
A grande questão, é: como acabar com este fenómeno? É possível acabar com a adulteração de idades no desporto? Em minha modesta opinião, acho, que é muito difícil acabar com este mal.
Para tal é preciso acabar ou eliminar o motivo da sua “necessidade”. Desportivamente falando, as pessoas adulteram as idades, por causa da competição gananciosa. Quer a pessoa seja apadrinhada na trapaça, ou seja ela mesma a auto - patrocinar, a grande verdade é , que são movidos pela desejo ardente de vencer.
Temos, com o exemplo, a corrupção. É, simplesmente, impossível acabar com ela, sem que antes se eliminem os motivos da existência, que passa pelas desigualdades sociais, com a estrema pobreza a ocupar o primeiro lugar, na lista dos motivos da existência da corrupção. O máximo, que se pode fazer e se tem feito, é tomar medidas dissuasoras.
Assim, é importante que tenhamos em mente os motivos, que fazem com que algumas pessoas recorram à adulteração das idades, quando se pensar acabar com ela.
Não nos esqueçamos, que os instrumentos para a inscrição de um atleta, em qualquer instituição desportiva, é o Bilhete de Identidade ou a Certidão de Nascimento.
Os únicos elementos, capazes de provar a legalidade de tais instrumentos, são as instituições que os emitem. No entanto, em tais instituições, também existem desigualdades sociais, que propiciam a tentação do suborno directo ou indirecto.Por outro lado, temos outro factor que se calhar deve ser o principal, que também contribui, fortemente para a trapaça, ou seja, para a adulteração de idades: a falta de valores morais.
Hoje, a humanidade, praticamente não tem boas fontes nem exemplos de conduta moral a imitar e as escassas e fidedignas que existem, são rejeitadas pela maioria dos que influenciam a sociedade.
É necessário ter uma elevada força moral, para dizer não à corrupção ou a adulteração de idades, porque normalmente estes actos vis, são praticados por pessoas que estão em cargos de responsabilidade e automaticamente, transformam-se em exemplo aos demais.
Portanto, quando o que é mau é publicitado como bom, ou quando pessoas de má conduta servem de modelo, então, não se deve esperar um resultado melhor do que uma sociedade moralmente decaída e doente.
Por mais que se lute, por mais que nos esforcemos em acabar com a adulteração de idades no desporto, se não nos focarmos nos motivos principais que fazem com que ela exista, então, todos os nossos esforços serão em vão, pois, estaremos como que a golpear o ar.
AUGUSTO FERNANDES

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »