Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Augusto Fernandes

Operao Egipto: arbitragem preocupa

22 de Março, 2018
A selecção nacional de Futsal está a 80 minutos de qualificação para os Jogos Olímpicos da Juventude, que se realizam em Buenos Aires, Argentina. Para o efeito, os cinco nacional vai ter de vencer a selecção egípcia.
A priori, e segundo a opinião do seleccionador nacional, Rui Sampaio, em termos tácticos e de resistência os egípcios são menos perigosos que os moçambicanos, que têm um futebol mais parecido ao nosso.
Além disso, os egípcios, morfologicamente, são mais possantes e pesados que os angolanos, o que constitui um grande handicap que pode contar em nosso favor. Mas isto, não implica dizer, que a eliminatória esteja resolvida.
Entretanto, as equipas de arbitragem nomeadas pela a Confederação Africana de Futebol (CAF) para ajuizarem os dois jogos, podem ser motivo de preocupação por serem de países árabes, do qual o Egipto faz parte.
No jogo da primeira mão, em Luanda, vamos ter uma arbitragem sudanesa, e no da segunda para o jogo decisivo, a arbitragem vai ser marroquina, “patrícios” dos tais que os nossos rapazes eliminaram na penúltima eliminatória.
Xenofobia à parte, sabemos bem como os laços podem e têm influenciado nos resultados de jogos a envolverem equipas das regiões, pois, levam muito a sério a “irmandade religiosa” existente entre si.
Isto, pressupõe dizer, que a nossa equipa deve preparar-se bem em todos os aspectos, para não ser surpreendida, porquanto, a história já provou que quando uma equipa está preparada psicológica, física, logística e financeiramente, não há arbitragem que vença.
Assim, tudo deve ser feito para que a eliminatória se resolva no jogo da primeira mão, no Pavilhão Gimno -Desportivo da Cidadela, no dia 14 de Abril. Estamos a 23 dias para o jogo da primeira mão.
Em 23 dias, podem-se criar condições para que a operação Egipto seja um êxito, a começar pela logística e hospedagem dos rapazes. Muito se falou sobre as péssimas condições dos nossos jogadores, creio não ser necessário bater na mesma tecla.
O nosso objectivo não é encontrar culpados, mas arranjar soluções para mudar a situação dos nossos valorosos rapazes. Temos em mente, que se estes miúdos chegarem às Olimpíadas da Argentina, o país só ganha com isso, e será uma grande propaganda para o Futsal em Angola e não só.
Um grande exemplo disto, foi o que vimos quando a selecção de Portugal venceu o Europeu da modalidade. Todos se reviram na conquista da selecção nacional, e por isso, não há meias medidas quando o assunto é apoiar a selecção.
A direcção da FAFUSA, deve continuar a bater as portas sem desânimo. Para isso, tem de ter políticas bem concebidas para convencer a sociedade a apoiar a causa nacional e de certeza que os apoios acabam por surgir.
Todos devem apoiar com o que poderem: água, alimentação, transporte, entretenimento, dinheiro e etc… Sim, da mesma forma que todos se revêem nas vitórias, é somente normal que todos se unam para resolver os problemas da selecção no entanto, embora a sociedade seja mobilizada para apoiar, é responsabilidade do Ministério da Juventude e Desportos resolver o problema principal: arranjar o dinheiro que é a arma para a solução de todos os problemas.
Temos motivos para acreditar que o nosso executivo vai resolver o problema. Lamentamos o facto da FAFUSA ter de passar sempre pelo stress, porque os problemas só se resolvem em cima da hora.
Este tipo de situação, frustra qualquer pessoa e não há motivo para as coisas continuarem como estão. O Minjud tem de resolver o problema, porque se a selecção chegou à ultima eliminatória, foi com o apoio da instituição e não tem por que parar de dar o apoio.
Por isso, e porque o lema do governo é “corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”, vamos acreditar que o Ministério da Juventude e Desportos, desta vez, resolva a situação dos nossos rapazes o mais cedo quanto possível.

Últimas Opinies

  • 17 de Janeiro, 2019

    Por tua culpa Joj

    Às 4h50, quando me levantei, pela terceira vez, tentando escrever qualquer coisa, a desinspiracão continuava.

    Ler mais »

  • 17 de Janeiro, 2019

    Coisas do nosso futebol

    De entre os vários acontecimentos desportivos dos últimos dias, fica difícil eleger apenas um, para marcar o meu regresso (espero que seja definitivo) às páginas deste jornal especializado,  por tal razão, vou tentar conciliar vários assuntos numa espécie de “balaio com letras”, sem que se atribua a mim a originalidade do termo, entre aspas, que nem tenho memória de onde o retirei.

    Ler mais »

  • 17 de Janeiro, 2019

    Petro folgado contra o S. Malien

    Depois do empate a uma bola no terreno do adversário no passado sábado, o Petro de Luanda, recebe depois de amanhã, no Estádio no 11 de Novembro, o Stade Malien, para o jogo que vai determinar qual das equipas se apura para a fase de grupos.

    Ler mais »

  • 17 de Janeiro, 2019

    Citaes

    Procuramos ser eficazes nas grandes oportunidades de golo que tivemos, mas fomos infelizes no sector mais recuado, vamos procurar trabalhar no sentido de melhorar nos próximos desafios.

    Ler mais »

  • 17 de Janeiro, 2019

    Dvidas e calotes

    Têm sido frequentes as reclamações que ouvimos aqui e acolá, sobre incumprimento de certos clubes com atletas ou com técnicos.

    Ler mais »

Ver todas »