Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os estreantes e o ritual de integrao

18 de Março, 2019
Igor Vetokele regressa aos Palancas Negras, depois de muito tempo. Wetokele é daquela geração de jogadores formados a maior parte deles na Bélgica e que se estreou nos Palancas sob comando de Filemôn, em 2014. Wetokele, que actua na Segunda Liga Inglesa, ressuscita um mau exemplo de que tenho memória. Ele, assim como Buatu e outros, nasceu na Bélgica e de Angola só ouvia falar, ora pelos pais ora pela \'media\'.
E a primeira vez que ia vestir a camisola dos Palancas Negras tive ou tiveram uma recepção desastrosa por parte da Federação Angolana de Futebol. Os Palancas Negras iam fazer dois particulares, na Áustria e no Algarve, Portugal.
Os jogadores saíram dos respectivos países para Áustria. Ficaram horas e horas no aeroporto sem que houvesse alguém à espera deles para os receber. Os pais tiraram dos respectivos bolsos para que os filhos chegassem ao hotel no qual estava hospedado a equipa nacional.
Chegados aos hotel, esperava-se que houvesse um ritual de integração, no qual se manifestasse não apenas a satisfação por virem à Selecção, mas todos outros aspectos que permitem ao jogador desligado da realidade do país, sentir-se em casa e angolano de facto.
Desse episódio terá ficado a imagem aos jogadores de Angola fazia parte, também, daquela realidade africana que os \'medias\' ocidentais retratam. Ou seja, uma selva. Espero que a direcção de Artur Almeida e Silva faça diferente com Wilson Eduardo.
Seria bom que se fizesse todo um ritual de apresentação ao jogador da realidade nacional, fazer deslocar o jogador para os lugares que retratam a nossa história, de luta mas também de povos com uma identidade própria. É isso que permite ao jogador que nasceu fora de Angola estar vinculado ao seu país. É isso que permite ao jogador sentir a pele arrepiada quando toca o hino nacional. É isso que faz o jogador dar tudo para que a bandeira de Angola esteja entre as melhores. É isso, em síntese, que faz um cidadão ser patriota. Portanto, não se pode ignorar estes aspectos.
Não se trata de esconder a realidade, tão pouco vender uma imagem de um país desenvolvido, igual a Portugal ou a África do Sul. Não. Apenas dar a ver que somos um povo com história própria, com vontade de vencer, que não se verga perante as dificuldades e que apela o concurso de forças de todos os seus filhos, no Desporto como na Educação. Na Agricultura como na Saúde. Feito isso, o jogador passa a ser angolano de corpo e alma, ainda que sinta dificuldades no início. A força interior, uma vez alimentada, ultrapassa isso.. Teixeira Cãndido


Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »