Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Os goleadores que nos faltam

20 de Abril, 2017
O campeonato nacional de futebol da 1ª Divisão vulgo Girabola que faz disputar a sua 38ª edição está cada vez mais competitivo nos últimos dez anos, especialmente desde a entrada em cena do Recreativo do Libolo do Cuanza Sul.

Na pressente edição com dez jornadas já disputadas o despique é grande desde o topo ao fim da tabela classificativa onde a diferença entre o primeiro ao quarto colocado é de apenas um ponto!

Isto por si é um forte indicativo de que temos tido grandes partidas de futebol como por exemplo aconteceu nos derbi envolvendo o Kabuscorp do Palanca, Petro de Luanda, Progresso do Sambizanga e 1º de Agosto.

Entretanto, um dos grandes problemas do futebol nacional é a gritante falta de goleadores natos que faz com que os grandes espectáculos que temos assistido não atinjam o “ponto rebuçado” como soe-se dizer.

Temos vários exemplos disso. No jogo 1º de Agosto – Santa Rita de Cássia, viu-se um autêntico festival de falhanços de golos como se os jogadores tivessem sido contratados para tal. Ainda no dérbi dos dérbis entre o Petro de Luanda e o 1º de Agosto vimos que o nosso futebol, está órfão de artilheiros no verdadeiro sentido da palavra.

Os golos são a vitamina do jogos e quando não existem executantes capazes de os fazer isto retira a alegria que é o futebol. Por mais que as equipas joguem bem se não houver golos é como se estivéssemos num ambiente de luto.

Só para termos uma ideia de quão vai mal o nosso futebol neste capitulo, o melhor marcador da historia do Girabola é Carlos Alves, antigo ponta de lança do 1º de Agosto que em 1980 rubricou 29 golos. Portanto há mais de 37 anos que ninguém consegue destronar o rei Alves. Se a memoria não me atraiçoa já tivemos um campeonato em que o melhor marcador marcou apenas 11 golos, entre 2005 á 2008!

Os jogadores que mais próximos estiveram de igual ou ultrapassar Carlos Alves foram o Jesus, Amaral Aleixo e Flávio do Petro de Luanda e Gelson do 1º de Agosto que marcaram 23 golos na sua conta pessoal.

Que saudades temos de goleadores natos dos anos 80 e 90 como João Machado, dos Diabos Verdes, Mavó, do Ferroviário da Huila, Basílio, do Chela, Sayombo, do Académica do Lobito, Sansão, Manuel e Dala, do 1º de Agosto e outros grandes matadores.

Entretanto, temos que reconhecer que com o passar dos anos o futebol deixou de ser apenas uma forma de entretenimento e passou a uma das maiores fontes de enriquecimento. Assim, as defesas que antes eram o elo mais fraco das equipas passaram a ser mais fortes que os ataques.
Mesmo assim, não se justifica a gritante falta de goleadores natos no nosso principal campeonato. Nos últimos dez anos tivemos um Akwá, que é o melhor marcador da selecção nacional de todos os tempos, mas praticamente não jogou uma época em grande no Girabola.

O Manucho, começou muito bem como goleador no Petro de Luanda, mas a sua transferência para o Manchester United atrapalhou a sua brilhante carreira iniciada em Angola. O Flávio, teve mais tempo de Girabola e por isso em duas ocasiões internamente mostrou que era um grande goleador e fez o mesmo enquanto esteve no Egipto. Não nos esqueçamos que o actual treinador adjunto dos Palancas Negras é o dono do primeiro e único golo de um Angolano num Mundial de futebol rubricado diante do Irão no célebre empate a uma bola.

Gelson Dala, começou muito bem a sua carreira como artilheiro no seu 1º de Agosto, mas a sua transferência para o Sporting de Portugal travou a sua marcha. Mas parece-nos que o puto não se intimidou diante dos Tugas e continuar cada vez mais felino. A nível do Girabola actualmente não temos um verdadeiro matador. Mesmo recorrendo ao estrangeiro para colmatar este défice com jogadores como Tiago Azulão, Rambé e outros com todo o respeito que tenho por eles, o nosso campeonato ainda continua morno em termos de concretizações .

Para piorar ainda mais a situação alguns jogadores que eram vistos como grandes artilheiros nas camadas jovens como Filhão do Petro de Luanda, Nany do Kabuscorp do Palanca e outros, não lhes é dada a devida oportunidade nas equipas principais e acabam desaparecendo depois de muitos anos de aturado trabalho.

Em função desta triste realidade e porque a selecção nacional acaba por pagar caro com esta situação é urgente que as pessoas de direito façam esforços no sentido de se inverter o quadro para que tenhamos um campeonato com artilheiros capazes de brindarem os espectadores com grandes jogos e muitos motivos de alegria: os golos.
Augusto Fernandes

Últimas Opiniões

  • 21 de Outubro, 2017

    As nossas infra-estruturas

    A organização do CAN 2010 no país bem como a realização de Africanos de basquetebol e andebol bem como o Mundial de Hóquei em patins trouxe consigo uma grande dose de esperança em relação ao aumento de recintos desportivos no país e, por arrasto, uma maior qualidade do desporto nacional.

    Ler mais »

  • 21 de Outubro, 2017

    Acerto de calendário inevitável no Girabola

    Ler mais »

  • 21 de Outubro, 2017

    Que modelos se aplicam ao nosso Desporto-Rei?

    À portas do final de mais uma temporada do futebol nacional, tudo agora converge nos aspectos de organização da próxima. O que tem sido badalado nos bastidores, é sem dúvidas como afinal será,  quer nos modelos de organização,  quer nos aspectos ligados aos períodos de início das provas das mais diversas categorias.

    Ler mais »

  • 20 de Outubro, 2017

    Nova ministra e futebol feminino

    Há dias esfreguei a mão de contente quando vi, no lançamento oficial do prémio "Palancas Negras2017", em futebol, no auditório da Galeria dos Desportos, a ministra da Juventude e Desportos, Ana Sacramento, a dizer o seguinte: " O futebol movimenta muita gente e representa o convívio e a fraternidade. Se melhorarmos o futebol, a nação beneficia e agradece. Por isso, é preciso fazer um casamento perfeito, na medida em que o desporto contribui no melhoramento da saúde".

    Ler mais »

  • 20 de Outubro, 2017

    Citações

    Estamos a trabalhar direccionados para termos de volta uma prova internacional.

    Ler mais »

Ver todas »