Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os heris do 4 de Fevereiro

15 de Fevereiro, 2015
Até chegar ao estágio que concede aos angolanos o estatuto de um povo independente, livre e soberano, Angola passou por várias fases, obrigando muitos dos seus filhos a darem o máximo de si em busca do melhor que se consubstanciasse no bem comum.

Do grupo dos melhores, destacam-se os heróis do 4 de Fevereiro, considerado como o dia do início do processo que culminou com a proclamação da Independência Nacional de Angola, aos 11 de Novembro de 1975.

Tenho cultivado como hábito, nos referidos meses, Fevereiro e Novembro, escrevinhar algo como tributo aos verdadeiros heróis da saga que tornou Angola um país soberano.

Neste Fevereiro, ocorre-me falar dos heróis de Fevereiro, lembrando-me o tempo em que, ainda garoto, ignorava o significado profundo do 4 de Fevereiro.

Vem-me à memória a imagem do meu progenitor, vestido de traje negro, típica dos sobreviventes do 4 de Fevereiro, saindo de manhã para trabalhar no Comité de Acção sito no bairro Adriano Moreira, ao Cazenga.

Lembra-me ainda de alguns dos seus colegas como os finados Pimentel e Tolola Mbanji, o camarada Simão, na altura morador no Bairro Neves Bendinha, que passava religiosamente todos os dias, em busca do meu pai, para juntos rumarem a fim de cumprir mais uma jornada laboral, no já atrás citado Comité de Acção 4 de Fevereiro.

Por estas e outras boas memórias, penso existirem razões objectivas para que me sinta vangloriado com e pelos heróis de 4 de Fevereiro, sendo este um marco importante para tudo o resto que Angola veio a conhecer e viver.

O desporto, porém, como ente social de referência obrigatória, não pode estar dissociado das conquistas promovidas pelos heróis do 4 de Fevereiro. Aliás, é tanto o valor do 4 de Fevereiro que permitiu que alguém decidisse que a realização da Supertaça em futebol seja disputada no referido dia.
Infelizmente, por razões que a mim não são muito convincentes, este ano a regra não se cumpriu, criando-se um vazio no “hábito” que vimos cultivando de um tempo a esta parte, em ver futebol no dia 4 de Fevereiro, na ressaca do feriado.

Abro um parêntesis para sugerir a quem de direito que se atribua a designação da Supertaça de Angola, o nome de 4 de Fevereiro ou Heróis de Fevereiro.

E, por assim em diante, que os ministros dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, ou o da Administração do Território, sejam os convidados de honra dos jogos da Supertaça, que ficam encarregues de atribuir o troféu ao capitão da equipa vencedora.

Claro que fica salvaguardada qualquer intenção contrária que o Titular do Poder Executivo tenha em nomear outra entidade máxima para dirigir as actividades atinentes às festividades do 4 de Fevereiro.

Como isso, a conhecida Rainha do 4 de Fevereiro, Engrácia Cabenha, por ser a única “menina” do grupo dos heróis do 4 de Fevereiro, fosse igualmente convidada a prestigiar o espectáculo com a sua presença e quiçá, participar da festa com a entrega de medalhas aos intervenientes.

Isso representaria uma homenagem profunda aos heróis do 4 de Fevereiro, sendo que, ao ritmo em que a natureza fosse cumprindo o seu papel de os retirar do mundo dos vivos, outros familiares directos fossem substituindo a presença, em forma também de eternizar o nome e feitos dos heróis de 4 de Fevereiro, à quem devemos sempre dar honras e glórias. Tenho dito.
Carlos Calongo

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »