Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os regressados e o estreante do Girabola

04 de Janeiro, 2018
A Federação Angolana de Futebol (FAF) fará disputar este ano o 40º campeonato nacional de futebol vulgo Girabola, que tem como líder em termos de campeonatos conquistados o Petro Atlético de Luanda que ganhou pela primeira vez em 1981 destronado o 1º de Agosto que vinha de três conquistas do troféu máximo do nosso futebol de 1979 á 1981.
O Girabola 2018, vai contar com o regresso do Sporting de Cabinda, que ficou de fora da mais alta roda futeboilística do país por quase dez anos(?) e do Domant Futebol Clube do Bengo que se estreou no Girabola de 2013.
Por outro lado, o Cuando Cubango Futebol Clube, faz a sua estreia no Girabola. Por isso é das equipas que mais expectativas levanta em termo do que será capaz de fazer entre os grandes do nosso campeonato nacional.
Entretanto, o Asa, é o grande ausente do Girabola que inicia a nove do próximo mês depois de 38 anos tendo ganho quatro campeonatos nacionais e fez desfilar grandes vedetas do nosso futebol. Quem não se lembra de estrelas como Chinguito, Rola, Eduardo Machado, Rui Gomes, Geovett, Luntandila, Sabino e outos muito bem comandados por Chico Ventura, que representaram com dignidade o Asa (ex TAAG) e a selecção nacional?
Falando dos regressados ao Girabola, podemos considerar que em função da realidade económica de que cada equipa, no caso do Sporting de Cabinda e do Domante FC, a equipa de Cabinda tem mais probabilidades de se manter entre os grandes do nosso futebol, tendo em atenção a grandeza de sua Província em termos económicos.
Mas uma coisa é a grandeza económica da província e outra bem diferente é a capacidade financeira do patrocinador oficial da equipa. Não sabemos qual é a saúde financeira do patrocinador oficial da equipa.
No entanto, enquanto é cedo, se a direcção dos Leões do norte do país já convenceram ou saibam convencer o governo da província da importância da província ter uma equipa no Girabola, então podemos dizer que o Sporting terá meio caminho andado para no mínimo manter-se no Girabola.
Com relação ao Domant FC, tudo vai depender de como o seu patrão preparou-se para este regresso ao convívio dos grandes do nosso futebol. Na sua primeira e última participação no campeonato nacional deu para ver que o “Boss” da equipa do Bengo é competente e que se for um pouco mais ousado poderá fazer grandes surpresas no Girabola 2018.
Com relação ao estreante Cuando Cubango FC, temos de esperar para ver. Mas a julgar pelo desempenho do 4 de Abril, que representou aquela província no Girabola de 2015, queremos acreditar que se a direcção do Cuando Cubango FC, aprendeu dos erros da direcção do 4 de Abril, então as demais equipas que se cuidem.
Para começar, o Cuando Cubango FC, será recebido e batizado pelo rei do Girabola, o Petro de Luanda, que ostenta nada mais nada menos que 15 títulos na sua galeria e conta com estrelas como Job, Tiago Azulão, Erinilson, Gerson e companhia. É por isso que a sua direcção vai iniciar a sua preparação exactamente em Luanda para ambientar-se ao clima e afastar alguns “fantasmas “ do medo.
O Domant FC, recebe os diamantiferos da Lunda Norte, que a esteve entre as quatro melhores equipas do Girabola 2016 e que apesar de ter perdido o seu treinador principal para os militares do rio seco é sempre uma equipa que joga para ganhar em qualquer reduto. É uma oportunidade para os rapazes do Bengo mostrarem porque mereceram o regresso ao Girabola.
Os Leões do norte, iniciam o campeonato diante do Académica do Lobito que teve de lutar no máximo da sua força e contar com o “azar” do Progresso da Lunda Sul, que utilizou indevidamente um jogador e acabou sendo despromovido, para se manter entre os melhores. Em função deste pormenor, os cabindenses, são favoritos à conquista dos três pontos.
Resumindo, podemos esperar que quer as equipas regressadas quer a estreante ao Girabola, poderão ou seja deverão mostrar dentro das quatro linhas que não foi por acaso que foram as melhores das suas respectivas séries.
Outro pormenor importante que estas três equipas devem ter em mente: se ajoelharam é para rezar. Entenda-se: se subiram de divisão é porque têm capacidade de competir até ao fim do campeonato quer se mantenha ou não no Girabola. Nada de gritos de socorro por falta de dinheiro. A primeira divisão não é para quem quer, é para quem pode lá estar.
Faltam mais de 30 dias para o começo do Girabola 2018. Quem não está preparado para a caminhada ainda vai a tempo de desistir. Que venha o Girabola 2018. Nós Jornal dos Desportos estamos preparados para fazer a nossa parte.
AUGUSTO FERNANDES

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

Ver todas »