Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Outra vez, no!

24 de Fevereiro, 2020
Artur Almeida e Silva reafirmou a sua vontade de se recandidatar ao cargo de presidente da Federação Angolana de Futebol. É um direito que lhe assiste e não estando impedido legalmente de o fazer, pode sonhar como quiser. Quem não pode permitir que este sonho se concretize são as filiados, em particular os clubes. Das associações províncias tenho muita pouco expectativa. Elas andam ao sabor do vento, de quem lhes oferece uma ida à fase final de um torneio. Há algumas poucas nas quais se pode confiar. Talvez a desgovernação protagonizada pelo gestão de Artur Almeida e Silva os tenha despertado a todos. Oxalá tenha havido está injecção colectiva. Quanto aos clubes, há um, tido como grande, que tem muito interesse na actual direcção. Todos outros parecem conscientes e convictos de que Artur Almeida e Silva foi um embuste. Um erro crasso que não se deve repetir. Só pensa ao contrário quem defende interesses particulares,individual se quisermos ir mais directo. O inventário dos erros crassos deste consulado estão aí nos arquivos frescos da imprensa. O duplo fracasso dos Palancas Negras, primeiro no CAN2019, quando tinha tudo para seguir em frente ou noutra fase; a não qualificação para o próximo CHAN, por uma decisão infantil, que retirou do comando da equipa o treinador principal, à porta de uma decisiva eliminatória. Resultado: os Palancas Negras ficaram pelo caminho. Acresce a isso tudo um conjunto de erros organizacionais, que não tem qualquer relação com falta do dinheiro. Aliás, a confusão, inicia com a saída dos seus dois vice-presidentes, por conta do presidencialismo absoluto de Artur Almeida. Ou seja, usurpou competência desses, e quis fazê-los de bobos da corte. Esses compreenderam e bateram com a porta. Muito fresco está o \"bilo\" do Conselho Técnico e de Disciplina, com ameaças de sanção pelo meio. Afinal, alguém autorizou o Conselho Técnico a inscrever o Atlético Sport Aviação (ASA). Ou seja,foi o presidente da Federação Angolana de Futebol, segundo Jornal de Angola, num texto assinado pelo companheiro Honorato Silva, quem assinou o \"laisser passé\". Se não fossem assim, seria grave. Pois,ia nos conduzir a fatal conclusão de que a desgovernação é total. Ao assinar o documento que autoriza o Atlético Sport Aviação a competir, nada é mais do que a sequência da usurpação de competências iniciado assim que se a direcção tomou posse. Se os verdadeiros homens do futebol, como dizia Nando Jordão, quiserem ver crescer o futebol nacional, então escolha outra pessoa. Não percam tempo que daí não vem qualquer milagre. O futebol nacional está atrasado, precisa correr, e a pessoa certa não é seguramente Artur Almeida e Silva. O apelo é para os grandes clubes do futebol nacional, Petro e o 1° de Agosto, e as grandes associações provinciais: Luanda, Huíla, Benguela, Huambo e Cabinda. Não permitam destruir o pouco que sobra do futebol nacional. Não se trata de campanha contra Artur Almeida e Silva, é pelo contrário para o salvaguarda. É isto que está em jogo, nenhum outro interesse nos impulsiona neste exercício. Dos outros não sabemos, mas quanto a nós, dormimos tranquilos, pois impera a consciência. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »