Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Paguem antes e joguem depois

22 de Outubro, 2018
A Confederação Africana de Futebol (CAF) decidiu, finalmente, bater o martelo e exigir que os clubes honrem os seus compromissos com os jogadores, sem o qual não poderão estar em competições nenhumas. É uma decisão que merece mais do que uma simples ovação. Merece uma passeata pois os clubes, os seus dirigentes sobretudo, nunca assimilaram o conceito de profissionalismo. Significa por outras palavras que há pessoas como os jogadores que vivem da sua actividade. Sustentam as famílias com o que recebem ou deviam receber. Quando um dirigente prefere comprar o seu carro de luxo e mandar para as urtigas os compromissos que livremente fez com os jogadores nada mais sensato do que entrar em campo a autoridade máxima do futebol continental para pôr ordem. Ou melhor, proteger os “indefesos”, muitos dos quais não são capazes de reclamar os seus direitos. Muitas vezes assinam contratos diferentes do que são depositados na Federação Africana de Futebol (com valores superiores aos que recebem efectivamente), ainda assim são obrigados a andar atrás dos dirigentes para receberem o valor na totalidade. Arrastam as dívidas até nunca mais. A FAF sabe disso, mas coloca algodão nos ouvidos. A FAF sabe que entre os clubes que se declaram limpos, muitos deles são verdadeiros calvários para os jogadores. Os seus dirigentes chegam a fazer do clube um verdadeiro quartel, superando inclusive o 1 de Agosto. Quem conhece essas trafulhices dos dirigentes têm o dever moral de maximizar essa medida da CAF. É um insulto à dignidade dos jogadores, eles que são a razão dos clubes e os verdadeiros operários das fortunas que alguns dirigentes vão exibindo a partir das cordas de ouros que trajam nos peitos e pulsos, dos jeepes e outros. Não me comove por isso que o Girabola2019 arranque apenas com seis clubes. Se a FAF tem sido conivente, a Confederação esperamos nós que não o seja. É necessário proteger o principal “activo” do futebol: os jogadores. Paguem antes e joguem depois. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »