Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Partido MPLA: corrija o que est mal

15 de Outubro, 2018
Ao contrário do que muitas pessoas pensam ou chegam até mesmo a defender de que o desporto e a política mais do que intrinsecamente separados, devem estar “legalmente” divorciados, devo estar certo ao afirmar que o desporto e a política, são “irmãos gémeos, porém de pais e mães diferentes”.
Creio não estar totalmente errado, porém acho que não deixo de ter alguma razão!
Este ponto de vista introdutivo, vem justamente a baila pelo facto de o MPLA, partido que no país sustenta o Executivo, ter deliberado no passado dia 21 de Setembro do corrente ano, através do seu Secretariado do Bureau Político, uma proposta dos termos de referência para o diagnóstico dos desportos em Angola, com realce para as modalidades de alta competição, tendo para o efeito, segundo reza o documento tornado público, constituído um grupo de trabalho para a elaboração do referido diagnóstico.
A minha preocupação, que certamente muitos não deverão ter como sua, não esta virada sobre quem são as pessoas que devem fazer parte deste grupo de trabalho que certamente é ou será restrito, e se devem ou não serem revelados os respectivos nomes na praça pública.
Muito longe disso! A minha preocupação cinge-se ou melhor dizendo, se cingirá sobre os resultados do referido diagnóstico e o seu respectivo day-after.
Mas fico muito feliz da vida em saber que o MPLA, deixou ou melhor, vai deixar de olhar para o desporto nacional, que mais do que uma tábua rasa, se encontra hoje num verdadeiro “vale cheio de tumbas”!
Aliás, e que fique bem claro, compreendo e entendo a posição, do partido que para muitos é tido e achado como dos camaradas, mas que para mim é o partido da vanguarda.
É imperativo, que no actual estado em que se encontra o desporto nacional, o Executivo jogue o seu verdadeiro papel, que é o de definir definitivamente limites e limitações, para que o desporto nacional, seja visto como arma de combate ao desemprego e alienação da juventude, e como instrumento de educação e valorização de recursos humanos para atletas, treinadores e agentes desportivos, tornando-se efectivamente um digno porta-estandarte do país, do seu povo e juventude, dando de certa forma ao mundo um espelho cultural de uma nação, que todos os angolanos e não só se orgulharão de dizer: Angola no coração!
Porque deixa a todos os angolanos constrangidos, o facto de que após 40 anos de acompanhamento, com pouco ou quase nada feito em termos de desenvolvimento desportivo não termos ninguém que tivesse a coragem de publicamente definir se o desporto que se pratica em Angola é peixe ou é carne, isto é se o desporto de que pratica no país é de facto de rendimento e para alta competição ou é apenas para tornar ricos e milionários uma media dúzia de “pachecos”!
Estou muito curioso. Mas o que eu gostaria de ver mesmo, é o MPLA por meio do seu Executivo, a esmagar definitivamente a cabeça da serpente em vez de morder o calcanhar de Aquiles que enferma o desporto angolano, agregando logo após uma série de medidas versus projectos para o desporto que o país efectivamente precisa, evitando colocar no mesmo prato da balança uns e outros sem diferenciação!
É verdade, que o MPLA tem de ter coragem suficiente e de sobra para procurar fazer manobras que levem o desporto nacional a fazer a tão necessária curva, sem nunca perder o controlo do volante!
Em nota de conclusão, reforço o facto de que ao tomar tal decisão o Secretariado do Bureau Político do MPLA, cutucou o seu Executivo, sou não sei se foi com uma vara curta ou longa, para que tenha a plena noção de que Angola está mesmo inserida num mundo globalizado, que é cada vez mais competitivo, onde os países quer queiram quer não, tem as suas soberanias nacionais sujeitas a maior exposição pública e com recursos cada vez mais escassos, tornando-se imprescindível que se aposte em ferramentas que revitalizem o desporto nacional em termos “sociais” e “económicos”, para que o referido sector consiga num espaço de médio e longo prazo obter um crescimento mais sustentável e uma independência institucionalmente distanciada dos dinheiros e apoios provenientes do erário público.
Nzongo Bernardo dos Santos*

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »