Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Preciosidade das Prolas em evidncia no Mundial

14 de Dezembro, 2019
Com um saldo de três vitórias e quatro derrotas, a Selecção Nacional de andebol sénior feminino acabou por ter uma prestação aceitável na 24ª edição do Campeonato do Mundo da categoria, no Japão, ocupando o 15º posto da tabela de classificação geral.
O combinado nacional, que em terras do “sol nascente” assinalou a sua 15ª presença na grande montra do andebol mundial, estreou-se com derrota frente a Sérvia, por 32-25, num jogo histórico, pois tratou-se do primeiro confronto entre ambas.
Nos demais quatros duelos da primeira fase, em que as Pérolas estiveram baseadas em Kumamoto, o «sete nacional» baqueou aos pés das selecções da Holanda por 28-35 e da Noruega por 24-30, ao passo que se saiu mais feliz perante a Eslovénia e Cuba, a quem venceu 33-24 e 40-30, respectivamente.
Fruto do 4º lugar no Grupo A da fase preliminar do certame, que ainda decorre no Japão, as angolanas tiveram a oportunidade de disputar as classificativas do 13º ao 16º lugar. Nesse seguimento, as pupilas de Morten Soubak voltaram a conhecer o sabor amargo da derrota diante da França, com quem perderam por 17-28. Já no jogo de despedida do torneio e depois desta derrota mais expressiva consentida no certame diante das francesas, as angolanas impuseram-se sobre a Argentina, vencendo por 30-27.
Com o triunfo sobre a selecção “alvi-celeste”, as Pérolas acabaram por assegurar o 15º posto desta grande montra do andebol, melhorando, deste modo, quatro lugares em relação a anterior edição, realizada na Alemanha.
Nunca é demais lembrar, que apesar de nos novos moldes de disputa da prova, apenas os três primeiros de cada um dos quatro grupos apuravam-se para segunda fase do Mundial, designada “main group”, ainda assim é sublime realçar que a prestação das pupilas de Morten Soubak acaba por ser aceitável. E isto se tivermos em conta também a não realização de um estágio pré-competitivo, bem assim como a chegada tardia ao palco do mesmo. Aliado a estes factores, o fuso horário e o desgaste físico foram outros dos contratempos, que terão pesado no desempenho menos bom das integrantes da equipa nacional sénior feminina de andebol. Em termos estatísticos, é relevante apontar ainda os 197 golos apontados pelo conjunto contra 206, o que lhes conferiu uma média de 28,1 e 29,4, por encontro, respectivamente, por cada um dos sete encontros disputados. Por outro lado, nota assinalável também para a central Isabel Guialo “Belinha”, que foi a jogadora mais concretizadora do «sete nacional» angolano, com 40 golos. Seguiram-lhe peugadas a lateral-direita Aznaide Carlos “Zica” e a central Helena Paulo, com 38 e 23 tentos convertidos. Não deixa de ser também relevante o facto de no Japão, Angola assinalar nada mais, nada menos, do que sua 15ª presença consecutiva num Mundial.
Isso pressupõe dizer, que depois da sua estreia no Mundial de 1990, as Pérolas nunca falharam presença na grande montra do andebol mundial. Isso evidencia a preciosidade, que as nossas atletas vão demonstrando na fina-flor do andebol mundial.
Esse facto marca, pela positiva, o “ranking” de Angola. Aliás, em termos de presenças num Campeonato do Mundo de Andebol, as Pérolas só são superadas pela Roménia, que no Japão confirmou o seu estatuto de totalista nas 24 edições já disputadas, assim como pela Noruega e China, com 17 e 16 participações cada.
De resto, depois de se despedir deste certame a 9 do mês em curso, com o já referenciado triunfo de 30-27 sobre a congénere da Argentina, no Pavilhão Park Dome, no desafio pontuável para as classificativas do 15º e 16º lugares da competição, que permitiu ao conjunto melhorar o 19º posto alcançado em 2017 na Alemanha, espera-se que o «sete angolano» continue a realizar um trabalho árduo intramuros. Aliás, a hegemonia que detém em África, fruto dos doze títulos continentais, obrigam-lhe a isso.
SÉRGIO:V.DIAS

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »