Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Protesto ou pretexto?

13 de Abril, 2017
Os regulamentos desportivos permitem que as equipas que disputem ou participem numa competição oficial, contestem quando prejudicadas por uma acção irregular do adversário.

Assim, é normal as equipas recorrer aos protestos, para reclamar junto do órgão regulador da modalidade, que se faça justiça. As equipas podem protestar por vários motivos, como por exemplo, quando o adversário utiliza um jogador mal inscrito, que esteja de castigo disciplinar, assim por diante.

Entretanto, uma coisa é protestar, e outra bem diferente é arranjar desculpas para justificar uma derrota ou resultado que não satisfaça os interesses da equipa que protesta.É verdade, que todas as equipas têm o direito de protestar, quando há motivos válidos para tal. Mas temos visto que em várias ocasiões, as equipas que recorrem ao protesto acabam por perder a causa, por falta de provas.Acontece porque normalmente as provas são vendidas, ou levantadas por alguém do clube acusado, que às vezes não está por dentro da realidade da informação que vende ou passa.

Quando uma equipa considerada grande no seu campeonato, recorre a um protesto para justificar uma derrota sob a alegação de que o adversário utilizou um jogador mal inscrito, até provar a veraz acusação, tal atitude pode ser considerada como pretexto. Além do mais, ganhar jogos na secretaria retira algum mérito à equipa, se vier a ganhar o campeonato em causa, pois não se livra da acusação de ter ganho jogos fora do campo.

Por isso, as chamadas equipas grandes devem habituar-se a ganhar os jogos no “campo de batalha”, e não esperar por supostos erros do adversário, para ganhar na secretaria. Na realidade, algumas equipas só não são bem sucedidas, porque não têm no seu conjunto jogadores que saibam fazer golo, em dezenas de oportunidades flagrantes para o fazer.

Obviamente, recorrer às irregularidades, como utilizar um jogador mal inscrito, mesmo a jogar onze contra onze, é motivo de protesto. Mas as vitórias são mais saborosas e valiosas quando conseguidas em campo. O pior de tudo, é quando as alegações para o protesto são infundadas, pois os dirigentes da equipa acusadora devem ser tidos como desprovidos de alguma nobreza.

Isto, implica dizer, que quando se optar por protestar um jogo, ou o resultado, as pessoas devem certificar-se de que têm a informação veraz para o fazer, e evitar cair no ridículo. Por outro lado, quando tal acontece, afecta o ego dos adeptos da equipa que protesta pois são eles que jogam fora das quatro linhas, com os demais adversários de bancada.

É muito importante, que os dirigentes dos clubes tenham sempre em mente o sentimento dos adeptos, pois são eles os mais visados quando as coisas não correm bem com o seu clube do coração. Sim, as equipas podem e devem recorrer ao protesto, quando haver motivos reais para o fazer, mas nunca como pretexto para justificar os maus resultados.
Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »