Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Qualificao e chicotada psicolgica

28 de Março, 2019
O último fim-de-semana foi, do ponto de vista desportivo, recheado de acontecimentos, sendo que o futebol mostrou, mais uma vez, a sua supremacia, e reforçou o adjectivo de ser o desporto-rei, de muitas emoções e paixões. A título de exemplo, o jogo de basquetebol entre 1º de Agosto e Petro de Luanda, que jogaram para a Afroliga em sénior masculino, foi relegado para segundo plano, face a disputa da partida derradeira dos Palancas Negras que, no Botswana, jogavam para o apuramento ao CAN de Junho próximo.
Os jogos acima referidos foram realizados na sexta-feira, 22, mesmo dia em que algumas horas antes, a versão Sub-23 dos Palancas Negras, perdia (1-3), em pleno Estádio 11 de Novembro, para a congénere sul-africana, em partida da primeira \"mão\" da penúltima eliminatória de acesso ao CAN\' 2019, a ser disputado em Novembro do ano corrente, no Egipto.
Apesar da “crença” que o técnico principal, Pedro Gonçalves, afirmou possuir para o encontro de resposta, disputado nesta terça-feira, nada passou disso mesmo, ou seja, discurso do líder, a considerar que os sul-africanos voltaram a derrotar os “nossos miúdos”, (3-0), que assim ficaram igualmente arredados de participar nos Jogos Olímpicos de 2020, no Japão, uma vez que a prova do Egipto é qualificativa à maior cimeira do desporto mundial.
Atribuímos, portanto, nota positiva à selecção principal que, no mesmo dia, alcançou o apuramento para o CAN de 2019, terminando no primeiro lugar no Grupo I com 12 pontos, isto após o triunfo por 1-0 na deslocação ao Botswana com golo apontado pelo avançado Wilson Eduardo, jogador do Sporting de Braga, que se estreou com a camisola dos Palancas Negras, da forma que todos gostariam.
A considerar que a vitória e consequente apuramento foram o melhor que aconteceu, apraz-nos apelar alguma prudência por parte de todos, no sentido de não fazermos, da vitória em referência, a verdade absoluta de que o nosso futebol está relançado no caminho desejado.
Assim escrevemos, pois, nada foi para além de uma vitória à que nos obrigávamos, até porque o Botswana não é do campeonato de Angola, - entenda-se a gíria desportiva -, sendo maior o que ainda há por fazer, para que o futebol angolano esteja ao nível das Nações mais fortes e bem cotadas do continente africano.
Aqui chegados, e como bons cidadãos, saudamos a proeza, e encorajamos todos os actores directos e indirectos da epopeia, a arregaçarem mangas, quanto antes, para termos uma participação auspiciosa no Campeonato Africano das Nações, que será disputado em Junho do ano corrente, no Egipto.
Entretanto, a nota negativa do fim-de-semana em abordagem vai para a direcção do Petro de Luanda, que rescindiu o vínculo contratual com o técnico Beto Bianchi, facto que deveu-se a “questões de segurança, já que o treinador tem sido alegadamente ameaçado por adeptos do clube “tricolor”
Sem tergiversar, assumimos que os argumentos da direcção do Petro de Luanda não convencem nem já o mais leigo em matéria desportiva. Porquanto, é de todo sabido que, Beto Bianchi, contratado em Novembro de 2015, tinha a missão de devolver a mística do clube que, neste espaço de tempo, conquistou apenas uma Taça de Angola, em 2017, tendo se especializado na conquista do segundo lugar, posto ocupado em 2016, 2017 e 2018.
Mais do que um discurso marginal das reais motivações do despedimento, à direcção do Petro de Luanda, se calhar, terá escapado o pormenor de que as razões evocadas podem suscitar a entrada em cena do SIC ou PGR, considerando que nas entrelinhas das “questões de segurança”, subjazem indícios de crime.
E mais do que isso, passa-se a mensagem negativa e falsa de que os adeptos angolanos são vândalos e isso pode beliscar não só a imagem isolada do Petro Atlético, enquanto clube, mas de toda a nação angolana de quem, verdade seja dita, os cidadãos, com as excepções à regra, são catalogados de um povo pacato, cordato e, acima de tudo, hospitaleiro.
Para dizer que, mais uma vez, o défice a nível da comunicação institucional do Petro de Luanda esteve em evidência, deixando aberta a necessidade e urgência de se prover a referida área com quem entende do ofício. Carlos Calongo


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »