Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Quando Muandumba viajou para a Espanha

14 de Janeiro, 2019
Sinceramente, continuo a aguardar até hoje, quando e como é que Angola vai beneficiar, em termos práticos, da experiência e avanços que o Reino da Espanha possui nos mais diversos domínios da actividade desportiva.
Não estou hoje aqui a levantar \"fantasmas\" por tocar nesta questão. Faço-o, só e apenas, porque o nosso Estado, o nosso Governo, o nosso Ministério da Juventude e Desportos, chegou a gastar uma pipa de dinheiro, quando, há poucos anos, chegou a enviar para aquele Reino uma incomensurável delegação multi-sectorial para aquele fim; de boas intenções.
Na altura, ficou atestado e assinado um protocolo de cooperação em Madrid. Foram signatários o então ministro angolano da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba (Angola), e o Presidente do Conselho Superior dos Desportos, Miguel Cardenal (Espanha).
O que se disse e justificou, antes e depois daquela milionária visita, é que, nos últimos tempos, a Espanha tem subido muito à escala mundial em termos desportivos, daí a oportunidade e vantagem do protocolo rubricado no campo desportivo-competitivo. Isto é indesmentível, sobretudo, a nível do futebol e basquetebol.
Por esta razão houve, inclusive, a identificação nas disciplinas desportivas que em Angola carecem de mais imputes da experiência espanhola, designadamente, o atletismo, andebol, basquetebol, futebol e desportos náuticos.
Lembro-me, também, que num plano mais amplo, a cooperação com a Espanha ficou de ser estendida para o domínio institucional: organização de eventos, manutenção e gestão de instalações desportivas, bibliografia desportiva, patrocínios e lei do mecenato, programas de apoio e fomento do desporto adaptado, protecção a jovens desportistas, indústria de material e equipamento desportivo.
Hoje, apenas constato a aprovação da Lei do Mecenato. Não se disse se a Espanha teve nela impressões digitais. No desporto adaptado, Angola é campeã mundial de futebol de muletas, mas na certa é-o por mérito próprio, isto é, sem os imputes da Espanha, onde se foi gastar rios de dinheiro.
O protocolo tinha outras boas intenções. Teóricas certamente. Contemplava, também para recordar, relações no domínio da ciência e tecnologia aplicadas ao desporto, formação e intercâmbio de programas relativos ao ensino, desenvolvimento dos currículos desportivos, metodologias de treino, gestão e administração desportiva, direito desportivo, medicina do desporto, luta contra o doping, mulher e desporto.
Eu pergunto hoje, aqui e agora: os custos do programa dessa cooperação seriam assumidos pelos signatários, de acordo com a legislação vigente e condicionados às disponibilidades do orçamento anual dos respectivos países, por via de programas com benefícios recíprocos, assentes no entendimento mútuo aos princípios do \"fair- play\", da ética desportiva e da carta olímpica, o que falta então para os benefícios estarem à vista de toda a nossa sociedade desportiva e não só?Pelo facto de, até, a referida caravana ter integrado elementos da nossa casta futebolística ao mais alto nível, eu particularmente cheguei a sonhar com o ensinamento do futebol espanhol, para Angola ter um bom padrão. Uma das melhores Ligas do Mundo é a Espanhola e a Angola e a sua Federação poderiam beber da experiência, em vez de ter-se recorrido agora a Portugal.
Digo sito, porque o anterior presidente da Federação Angolana de Futebol, Pedro Neto, que teve o privilégio de integrar a tal comitiva de Gonçalves Muandumba, chegou a dizer que o seu órgão pretendia colher bons resultados do acordo assinado com a sua congénere espanhola.
Mais uma pergunta: se o então director para política desportiva do Ministério da Juventude e Desportos, António Gomes, particularizou, na altura, que a assinatura do acordo com a Espanha permitiria maior desenvolvimento do desporto nacional, será que as pastas com estas intenções foram passadas para a actual ministra Ana Paula Sacramento e seus pares?
É claro que, antes desta ministra, pelo pelouro já passou o seu antecessor Albino da Conceição, que rendeu Gonçalves Maundumba. De Albino a ministra recebeu a \"pasta\" daquela \"missão\" à Espanha?...Aqueles que viajaram na comitiva, estando ou não hoje à testa de instituições desportivas, deviam ainda ser chamados a enumerar o conjunto de atractivos que, de Espanha, poderiam ajudar a melhorar o nosso desporto. Ainda vai-se a tempo!
ANTÓNIO FÉLIX

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »