Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Que o Egipto nos ajude!...

17 de Junho, 2019
Uma década depois, os Palancas Negras voltam ao Egipto. Sob orientação de Oliveira Gonçalves, com então estatuto de mundialista, o \"onze nacional\" não foi capaz de se qualificar para outra fase. A presença naquele país assinalava o regresso dos Palancas Negras ao Campeonato Africano das Nações (CAN), cumprindo seis anos de ausência. Foi um CAN memorável, apesar do resultado não ter sido digno de um mundialista. Poucos países beneficiaram do apoio, que os Palancas Negras mereceram dos egípcios. Gilberto e Flávio Amado eram os responsáveis por tal feito. Jogavam no Al Ahly do Egipto e eram queridos, em particular Gilberto, que havia se transferido cinco anos antes do CAN. Flávio fazia um ano, e foi o CAN que o \"salvou\", dado que vivia um período de contestação. A razão é que não tinha se adaptado o suficiente, carrega nos ombros o azar de ter desperdiçado uma grande penalidade no clássico com Zamalek, adversário visceral do Al Ahly. O CAN foi aproveitado e Flávio se afirmou como um jogador a ter em conta. A equipa transpirava condições de trabalho, tinha feito estágio em Málaga, seguido de um particular no Marrocos. Com Camarões, Togo e o Congo Democrático, os Palancas Negras vendiam expectativa de que podiam brilhar. Mas caíram por terra. Um das grandes desculpas na altura era a inexperiência. Só o Akwá conhecia o que era jogar um CAN. Hoje, o leque é mais alargado. Bastos, Djalma Campos, Mateus Galiano, Geraldo, Freedy já sabem o que significa jogar um CAN. O grande estreante será, sem dúvidas, Gelson Dala. O meu receio repousa na turbulenta preparação, que os Palancas Negras viveram na véspera do arranque da prova. Não sei como senhores que andam no futebol há muito, não são capazes de gerir uma crise. Uma situação que lhes era aliás alheia. O que não era alheio é a boca. O presidente da Federação Angolana de Futebol tem boca para se comunicar, explicar aos jogadores que havia um atraso, porém ia a tempo de honrar com o devido. Basta dizer isso aos jogadores para ganhar o dia, evitar a vergonha que por passaram os Palancas Negras, uma publicidade de todos negativa, para a imagem da Selecção Nacional e do País num todo. Um acto capaz de inibir futuros jogadores, filhos de angolanos, que nasceram noutras paragens. Oxalá, que no relvado a resposta seja diferente, melhor, de modo a resguardar a imagem dos jogadores. Oxalá que o Egipto nos ajude. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »