Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Que projectos tem a FAF para os Palancas Negras? (II)

17 de Outubro, 2019
A história do futebol moderno indica, claramente, que sem projectos não pode haver evolução. Temos vários exemplos disso, tanto no exterior do pais como cá, entre nós. Um grande exemplo é o que está a ser feito no 1º de Agosto. Como é que um clube, consegue ter aquele nível de organização e a FAF que é um órgão do Estado não? O problema não está na qualidade e capacidade de quem dirige”?
“Outro exemplo prático é o que está a ser feito na Academia de Futebol de Angola (AFA). Não venham dizer-me que o problema é que o 1º de Agosto ou a AFA tenha mais dinheiro que a FAF. É inconcebível e inaceitável, que um órgão estatal ande de mão estendida, quando outros com o 1º de Agosto, que também depende de alguma forma do Estado consegue ter melhor saúde financeira que a FAF.
Quem aceita conduzir um carro do patrão, mas que seja a responsabilizar-se pelas despesas do mesmo, só pode indicar duas coisas”
Foi desta forma que terminei o artigo precedente. Quem aceita conduzir o carro do patrão, com a condição de ser ele a responsabilizar-se pelas despesas da veículo, indica (1) que o homem não entende o que implica responsabilidade e (2) ou então, tira grandes dividendos nesta condição.
Isto, para dizer o quê? Para dizer que a FAF não precisa e nem deve andar de mão estendida para resolver os problemas das Selecções Nacionais. Já que até agora o Ministério da Juventude e Desportos (Minjud) deixa sob critério da FAF a condução dos destinos do nosso futebol, é somente normal que este órgão apresente os projectos que pretende alcançar e esperar que o patrão se responsabilize pelo resto.
Naturalmente, isso não significa ficar sentado debaixo da “sombra da bananeira”, como soe-se dizer, à espera que as coisas aconteçam. A direcção da FAF pode procurar outros activos para fazer funcionar a máquina. Mas cabe ao Estado a maior responsabilidade na aquisição e atribuição dos activos, para custear as despesas da Selecção Nacional.
Assim, em minha modesta opinião, é importantíssimo que a FAF apresente um programa ao Minjud, do que pretende fazer ou alcançar com a Selecção ou Selecções Nacionais. Por exemplo, os Palancas Negras estão apurados para a fase de grupos para disputar a qualificação para o Campeonato Africano da Nações (CAN) em 2021 e ao Mundial do Qatar.
Tendo em atenção os tumultos causados pela péssima exibição dos Palancas Negras no último CAN realizado no Egipto, e as suas consequências, o que indica que a família do futebol ( e porque não dizer os angolanos?) está cansada de ver a sua Selecção entre as piores do continente, é importante que a FAF responda as seguintes questões:
- O que se pode esperar dos Palancas Negras, nessas duas competições? O que a FAF pretende? Estamos preparados para se apurar e fazer boa figura nas duas empreitadas? Qual é a prioridade? Se a FAF não se importar em responder a questões como estas, não estaria simplesmente a demonstrar que prefere insistir no erro?
Creio que seria mais salutar para Artur Almeida e Silva e seus pares optem pelo consenso na condução dos destinos do futebol angolano. A maior parte da família do nosso futebol considera que devemos repensar a forma de gerir o nosso futebol e é contra o imediatismo.
Em função do péssimo desempenho da Selecção Nacional, nos últimos anos, é ponto assente e unânime que devemos recomeçar do zero, o que implica a existência de um projecto. Podemos aproveitar muito bem estas duas competições internacionais em que a nossa Selecção está envolvida, para começar a preparar a selecção do futuro.
Com um projecto bem elaborado, podemos definir metas a atingir nas fases de apuramento para o CAN 2021 e Mundial de 2002. Para começar podíamos ter como meta principal, nestas duas competições, preparar uma Selecção capaz de fazer boa figura nas competições internacionais, a partir de 2023, baseada maioritariamente em jogadores da Selecção de Sub-17 que vai disputar o Mundial do Brasil.
Temos de saber plantar e ter paciência necessária para esperar a altura da colheita. Não se pinta a banana verde, de amarelo, só porque temos vontade de comê-la. Temos de esperar , pacientemente, pelo tempo certo. Assim, Esperamos que a FAF Faça um projecto exequível para os Palancas Negras e espere, pacientemente, a hora da colheita!
Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »