Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Quem tem medo de Filipe Cruz? s

06 de Janeiro, 2020
Os adeptos do desporto, do andebol precisamente, aguardam uma explicação sobre o que se passou com Filipe Cruz. O treinador ia assinar um contrato com a selecção do Congo, deixando o \"Sete Nacional\". Patriotismo e outros \'ismos\' à parte, o senhor é profissional, vive do seu trabalho e deve por isso aproveitar todas as oportunidades que lhe cheguem em mãos. Sem nenhuma razão aparente, e com todos \'ís\' e traços nos \'tés\', o treinador acabou por saber que afinal não ia mais assinar contrato com o Congo. Por quê? É a pergunta cuja resposta ninguém a deu até agora. Só duas entidades podem dar uma explicação. Primeiro, a Confederação Africana de Andebol deve uma explicação. Ou seja, porque razão interfere no contrato de treinador e uma equipa ou selecção. Quem deles está castigado e por isso não pode contratar ou assinar contrato? Filipe Cruz ou o Congo? Admitindo tal hipótese, qual seria a razão? Segundo, a Federação Angolana de Andebol é outra entidade de quem se espera uma explicação. É a principal interessada que Filipe Cruz não deixe o \"Sete Nacional\", é um treinador competente, aliás tem os melhores resultados da história do andebol masculino. Logo, deixar sair um treinador desse tem de existir um substituto melhor. Não há no mercado nacional. Do exterior e com a qualidade e os resultados de Filipe Cruz, seria muito caro. Atadas todas as razões enumeradas, só a Confederação Africana de Andebol e a Federação Angolana é que podem dar uma explicação. Outra situação, remota, seria o Congo ter desistido, mas se assim fosse, tê-lo-ia dito, pois ninguém é obrigado a contratar. Esta última hipótese só tem lugar, se as duas outras forem descartadas. Sou dos que considera que os treinadores devem ser valorizados. A nossa realidade, infelizmente, diz que muitos dos dirigentes não valorizam nem respeitam os treinadores nacionais. São complexados. Parece até que foi um angolano quem proferiu, pela primeira vez, o provérbio de que os santos da casa não fazem milagres.
TEIXEIRA CÂNDIDO

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »