Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Recuperar a identidade

17 de Dezembro, 2018
O basquetebol, quem diria, deve merecer todas as atenções dos debates mediáticos e outros. De hoje até que se recupera a nossa identidade. Regressemos à filosofia que nos fez gigantes do continente. Seguramente não foi o dinheiro, que não tínhamos na altura em que tudo começou. Temos dito que na prática tínhamos um pavilhão (o da Cidadela), e apenas com ele, formou-se a nata de atletas que dominaram o continente por duas décadas aproximadamente. Foi conhecimento que nos tornou na potência que somos. Foi a formação de qualidade que nos permitiu conquistar todos os títulos que a FAB reuni na sua galeria. A partir de 1999-2000 começamos a colocar em causa esta filosofia, partimos para uma política de inflação do mercado, nacionalizamos, até chegarmos ao ponto de não termos um base à altura dos super-campeões africanos.
Logo, na posição um. Lugar em que sempre tivemos de sobra atletas, muitos dos quais nunca chegaram à selecção porque não havia espaço. Não gostaria de distribuir culpas, mas é preciso chamar os responsáveis pelos seus nomes. Sabe-se que no futebol foram o Kabuscorp do Palanca e o Libolo os arquitectos da inflação do mercado, do menosprezo da formação. Assim foi no basquetebol.
O 1 de Agosto, o tal clube que formou Jean Jacques, Herlânder, Paulo Macedo e outras estrelas do basquetebol nacional, iniciou o processo de inflação do mercado, seguiu-se o Libolo, tendo atingido o pico com a contratação do Olímpio Cipriano. É chegado pois o momento de o 1º de Agosto fazer o processo inverso. Devolver ao basquetebol o que nos caracteriza, nos fez os melhores do continente. Formar, colocando os melhores treinadores nos escalões de formação, tal como tem feito com o futebol, o que a nação agradece vivamente. Só o 1º de Agosto? Não, os outros têm o mesmo dever moral.
Fala-se do 1º de Agosto por ser o maior clube do País, aquele que despoletou o processo que resultou na inflação do mercado mas também por reunir, quanto a mim, o melhor gestor. Dir-me-ão alguns. Talvez seja o que tem mais dinheiro. Eu reitero.
O que tem melhor dirigente. Olhem para o Petro teve tanto dinheiro o que fez? O Libolo, o Kabuscorp do Palanca ou o Interclube. Não basta o dinheiro.
É preciso ter um vocacionado.
Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »