Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Regresso da prova primeira forma

27 de Outubro, 2018
Quando em 1979 foi instituído o Campeonato nacional de futebol da primeira divisão, num contexto assaz difícil, em que se punha, em primeiro lugar, a necessidade da união de um país gravemente esquartejado pelos horrores da guerra, tinha o mês de Outubro como o período do início. Na época, já se sentia a necessidade de ajustá-lo ao calendário dos campeonatos de outros países africanos. A morte inesperada do presidente António Agostinho Neto, a 10 de Setembro desse ano, em Moscovo, que abalou profundamente a jovem nação, que caminhava havia quarto ano de independência, teve de forçar a alteração da data. Os 45 dias de luto nacional, decretados pelo Bureau Político do MPLA -Partido do Trabalho, determinaram a alteração. Desta feita, só a 8 de Dezembro teve início, oficialmente, a prova. Ainda assim, não estava muito aquém do calendário da maioria dos campeonatos africanos. Entretanto, quando era suposto no ano seguinte (1980) a bola começar a rolar em Outubro, por razões que os dirigentes desportivos da época podem explicar, passou a iniciar entre os meses de Fevereiro e Março. Este desfasamento passou a criar, de facto, muitos embaraços às equipas que interviessem nas competições africanas de clubes, quase sempre apanhadas em contra-pé. Ou seja, em período de defeso, por altura do arranque das competições africanas. Logo, sem rodagem em relação aos adversários, cujos campeonatos estavam em curso. Durante muitos anos foram conjugados vários esforços, para se ajustar o calendário da prova doméstica à dos outros países. Todavia, existia sempre duas correntes de opinião, a dos que defendiam e a dos que se opunham a que se desse o passo, até que a própria Confederação Africana de Futebol concluiu, muito tardiamente, que o campeonato angolano andava em sentido contrário. A começar em Outubro, a prova vai trazer sempre vantagens, não só para os clubes nas Afrotaças, como para a própria Selecção Nacional. Pois, quando enquadrados em campeonatos africanos, fazemo-lo em período de defeso, convocam-se jogadores acoitados em casa, à excepção dos profissionais. É certo, que agora, o CAN passou para Junho e a coisa foi corrigida por esta inovação. Entretanto, um único inconveniente salta à vista no calendário actual, é o facto do campeonato disputar-se em quase todo o período chuvoso, devem as equipas estarem preparadas para os constrangimentos que podem encontrar, sobretudo, devido à recessão económica muitas optam viajar por terra, quando as estradas nacionais estão como estão! Seja como for, saudemos, de Norte a Sul, do mar ao Leste, o campeonato, na esperança de que venha a disputar-se num clima de cordialidade e apurado fair-play, em que os melhores sejam reconhecidos. Lutem pelas posições cimeiras, sem que os fracos assumam a fraqueza, ofereçam resistência aos grandes, em busca do equilíbrio que em regra, valoriza e empresta grandeza ao torneio. Bem-vindo senhor campeonato!...
Matias Adriano

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »