Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Renncia anunciada

17 de Outubro, 2019
Razões a ver com a falta de apoio institucional para o desenvolvimento de acções e projectos ligados ao desporto adaptado, podem levar o presidente do Comité Paralímpico Angolano a renunciar o cargo, exausto que está de promessas vãs, que colidem com aquilo que são as suas expectativas à frente deste órgão desportivo.
À partida, Leonel da Rocha Pinto tem pretensão da construção de um centro de alto rendimento desportivo, na perspectiva de dinamizar o desporto para portadores de deficiência a nível de todas as modalidades, sendo que a falta de infra-estruturas é que mais tem atrapalhado todo um trabalho que se quer desenvolver.
A luta pela construção de tal infra-estrutura, remonta dos anos 90. Ou seja, há 25 anos, sem que se vislumbre uma luz no horizonte. Na verdade, se no tempo das vacas gordas as expectativas saíram goradas, em tempo de recessão o pessimismo e a incerteza terão tomado conta do homem que sempre se esmerou na reintegração social de pessoas com deficiência.
O dirigente surpreendeu no começo da presente semana a sociedade desportiva com esta boa nova. Vai-se lá depois apurar se está mesmo determinado à renúncia, ou por influência deste ou daqueloutro, venha o homem se decidir por um recuo, sendo afinal o rosto mais visível do desporto paralímpico aqui no país.
Por tudo isso, é uma novidade que ao lugar de agradar pode estar a perturbar algumas mentes em face daquilo que tem sido a dinâmica de Leonel da Rocha Pinto mais a mais pelo vigor que soube, ao longo das últimas duas décadas, emprestar a este desporto, que mais não visa senão devolver ânimo, desejo e alegria a quem um dia pensou que estava inapto para tudo.
Com a sua liderança, o desporto paralímpico conquistou feitos que a História regista. Desde os recordes internacionais de Armando Sayovo, no atletismo, ao título mundial de futebol para amputados e mais recentemente o título africano ainda no futebol, isto para não enumerar outras conquistas bem conhecidas e registadas.
Portanto, é dirigente que, em caso de sair, deixa obra e o nome escrito com letras douradas na História do desporto angolano. Vai daí também que a sua substituição não pode ser precipitada, mas bem acautelada, sob pena de mutilar um projecto, que, pelo menos até aqui, tem tudo para dar certo e proporcionar outros motivos de alegria ao povo angolano.

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »