Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Melo Clemente

Retrocesso!

29 de Setembro, 2018
Começou ontem, as emoções da 41ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, vulgo Unitel Basket, com a disputa da primeira jornada, competição que conta com a participação de nove equipas, por sinal, todas elas em representação da capital do país, Luanda.
Infelizmente, mal a prova arrancou, a direcção técnica da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) foi obrigada a reformular o seu calendário desportivo, muito por culpa da desistência da formação da Casa do Pessoal do Porto do Lobito, que havia conquistado por direito próprio, a sua participação na 41ª edição do Unitel Basket, em função de ter vencido o Campeonato Nacional da Segunda Divisão.
Em face da desistência da Casa do Pessoal do Porto do Lobito (CPPL), a prova de âmbito nacional, passa a ser, na verdade, um \"Campeonato de Luanda\", dado que as nove equipas que disputam a aludida competição representarem a capital do país.
Benguela que a par de Luanda têm sido as únicas províncias que normalmente disputam os campeonatos nacionais, fundamentalmente, na classe masculina, isto em seniores, acaba por deixar a competição \"órfã\".
A extinção da formação do Sport Libolo e Benfica acaba por deixar uma das modalidades mais tituladas do continente africano (11 troféus), a par do andebol feminino (12), mais pobre.
Entretanto, numa altura em que se fala tanto da decadência da disciplina, a julgar pela falta de qualidade dos nossos actuais executantes, contrastando com os velhos tempos, onde quase sempre surgiam atletas de grande quilate, o regresso à quadras como o Pavilhão 28 de Fevereiro e Pavilhão Victorino Cunha, é no mínimo, retrocedermos no tempo e no espaço.
Depois de na época passada, a direcção da FAB, encabeçada por Hélder Martins \"Maneda\", ter convidado os clubes a fazerem os seus jogos no Pavilhão Arena do Kilamba, a custo zero, esta medida, ao que tudo indica, não agradou os dirigentes quer do Grupo Desportivo Interclube, quer da formação do 1º de Agosto, que vão continuar a fazer os seus jogos no Pavilhão 28 de Fevereiro e Pavilhão Victorino Cunha, respectivamente.
Os pavilhões acima referenciados, não oferece condições mínimas para todos os intervenientes da \"bola ao cesto\", se quisermos que a nossa disciplina atinge níveis elevadíssimos.

Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »