Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Ronda prevista com triunfo militar

11 de Setembro, 2017
Acho que a maioria dos resultados da 24ª jornada do Girabola estiveram nas previsões, tirando uma ou outra surpresa e aqui particularizo o facto de que ontem o 1º de Agosto e o Petro de Luanda realizaram o que foi o septuagésimo quarto (74º) jogo onde qualquer podia levar a água ao seu moinho. Desde já viva o 1º de Agosto e coragem, muita coragem mesmo, Petro de Luanda.

Para já sobres estes dois colossos, contei pelos dedos da mão e cheguei à conclusão de que a malta tricolor não tem muito que queixar-se da derrota, só foi por \"culpa\" daquele maldito golo em \"cima da hora\". É a minha opinião. Uma coisa, porém, é verdade nua e crua: o Petro de de Luanda perdeu, mas já ganhou ao 1º de Agosto 31 vezes porque este só levou a melhor em 22 ocasiões. E se no resto foram empates, então o Petro está melhor no historial.

Veja-se, meus senhores, que as duas equipas ontem chegaram ao jogo separadas por três pontos e o 1º de Agosto com o melhor ataque e golos marcados. Conseguiu aumentar mais um e está com a defesa menos batida, com mais um golo marcado ontem não significa ainda título confirmado. Sei que muitos esperavam ver o marcador militar Rambé apontar um monte de golos para superar o Azjulão. Nem oito nem oitenta. É o Azulão que continua a comandar e ponto final.

No fundo tudo isto é para lembrar que o campeonato está em curso e o título em jogo. Uma razão por que o 1º de Agosto e o Petro de Luanda, velhos rivais no nosso \"association\", tiveram o privilégio de travar mais um desafio que, antes da bola rolar nele, suscitava uma grande expectativa dos sócios, adeptos e dirigentes de parte a parte.

A grande expectativa estava sobretudo do lado do 1º de Agosto na segunda posição com 51 pontos. Se o Petro ganhasse \"mexeria\" com a questão da liderança. Mas, pronto...os militares regressaram ao topo e não há certeza absoluta de que lá ficarão de pedra e cal.
Acho que o Petro de Lauanda deve conformar-se, por enquanto, com o segundo lugar. A culpa é sua ao ter consentido - como disse atrás - a derrota \" em cima da hora\" depois de uma tarefa árdua, aguentando bem a pressão do 1º de Agosto.

O treinador da equipa militar, Dragan Jovic, sabia dessa necessidade imperiosa de jogar para ganhar, mas tinha a certeza de que não se afigurava fácil como ele próprio vem afirmando. O clássicos entre ambos não costuma sempre seguir a lógica das coisas porque nem sempre o momento de forma é a coisa determinante. O mais importante é saber aproveitar o momento para marcar e ganhar. E ontem aconteceu quase no fim, porque o 1º de Agosto aproveitou!

A sua equipa vinha e esteve motivada numa vitória sobre o Petro de Luanda que aconteceu e permitiu ter um (curto) salto de cangurú na classificação, agora com 56 pontos. Acho que os jogadores do 1º de Agosto estão muito galvanizados porque deram confiança à direcção, aos adeptos - haverá aumento de prémio ? - na caminhada para o título. E o que dizer do Petro de Luanda?

A verdade é só uma: manter a retórica de que anda competir para ainda chegar ao título, embora alegadamente a pretensão não seja a de chamar a si o ceptro. Faltam já poucas jornadas e se o 1º de Agosto for campeão será por mérito próprio com os pontos que somar no cumprimento do que produziu na primeira e segunda etapas, na luta pela conquista do troféu da prova, que resgatou para galeria do clube há um ano.

Temos de ter a coragem de dizer que a equipa está a acertar na maioria dos jogos, a concretizar apostas e promessa feitas, no início da época, pelo presidente do clube, Carlos Hendrick. Significa assim que vinga o \"recado\" do presidente do clube militar para todos os concorrentes ao título, dizendo que para si o 1º de Agosto entraria em todas os jogos respeitando sempre o trabalho das equipas adversárias,para proporcionar alegria aos sócios e adeptos do clube, porque tinha ( e tem de facto) uma equipa técnica e jogadores capazes.

Tendo em conta este investimento do clube militar, as outras equipas, como o Libolo, Petro de Luanda e o Kabuscorp, que também têm a ambição do chegar ao título, terão de apresentar um plantel com melhores qualidades do que os do jogadores do 1º de Agosto, que , diga-se,no início da época correu para o mercado a contratatar jogadores de referência, uns à renovação e outros pela primeira vez.
ANTÓNIO FELIX

Últimas Opinies

  • 19 de Junho, 2018

    Jornada de gritos...

    Quando logo mais as selecções da Rússia e do Egipto descerem ao relvado do Estádio São Petersburgo, estará a começar a segunda jornada da primeira fase do Campeonato do Mundo, que, não sendo cem por cento decisiva, pode, porém, começar afastar a cortina de fumo. Há coisas, que, no desfecho desta ronda, ficarão já clarificadas e outras que se vão manter incógnitas, até aos derradeiros 90 minutos.

    Ler mais »

  • 18 de Junho, 2018

    Citaes

    O nosso compromisso é com o bem do futebol nacional, nós estamos a trabalhar com clareza e estamos a ser criticados apenas para trazer de volta a horrível corrupção que havia antes, infelizmente, é isso o que alimenta o nosso futebol.

    Ler mais »

  • 18 de Junho, 2018

    Clima tenso no basquetebol

    O ambiente no basquetebol está tenso depois do presidente da Federação ter declarado em conferência de imprensa a falta de apoio do departamento ministerial que rege o desporto nacional, concretamente na não alocação de verbas para a Selecção Nacional poder cumprir com o seu programa na preparação para o Mundial.

    Ler mais »

  • 18 de Junho, 2018

    Duelo de estrelas

    A meio da fanfarra que marca a disputa do Campeonato do Mundo de futebol, ainda na primeira fase, muitos concentram uma atenção particular naquilo que caracteriza a evolução individual de algumas estrelas, que, estando no centro dos holofotes, em face da sua projecção internacional, levaram o perfume da sua classe para os palcos russos.

    Ler mais »

  • 18 de Junho, 2018

    Cidade ecolgica

    A minha segunda passagem pela cidade de Moscovo deixa-me impressionado, não só pela grandeza que a cidade atingiu, 27 anos depois da minha estada, nos meus tempos de estudante, mas também o verde que esbanja.

    Ler mais »

Ver todas »