Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Segurem o treinador

12 de Agosto, 2019
A hipótese de rescisão do contrato com o treinador Srdjan Vasiljevic, pode atirar os Palancas Negras para um longo e penoso percurso. Os fundamentos do meu receio, assentam no facto de ser um treinador competente, já o demonstrou, e ser paciente. O primeiro sinal do que pode vir a ser a vida dos Palancas Negras. foi a eliminação do CHAN. Se a direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF) insistir na sua capacidade de inventar, o País pode sofrer mais do que já o fez. Artur Almeida e Silva vai manifestando uma capacidade de desperdício como ninguém.

A eliminação dos Palancas Negras, custou algumas centenas de dólares para os cofres da FAF. Depois do empate na casa da Swazilândia (não consigo me adaptar a nova designação),todas as expectativas apontavam para uma qualificação fácil. Porém, a FAF colocou muito próximo do jogo da Supertaça. Esse jogo impossibilitou a participação dos jogadores do 1º de Agosto na selecção, disso resultou que o treinador (Silvestre Pelé) fosse obrigado a criar uma equipa do nada.
Óbvio que o resultado foi a eliminação, ainda que aos pénaltis.Os tais dinheiros de que tanto precisa a FAF, para curar algumas dívidas e despesas, foi atirado ao lixo.Negligência é o comportamento, que vai atravessando todas carreiras da actual direcção da FAF. Uma atrás da outra, e assim vai seguindo Artur Almeida e a sua tribo. Outros resultados negativos podem se seguir, se ninguém segurar esta FAF. Chamar a razão estes senhores . O que está em causa não é o dinheiro. São os resultados desportivos e consequentemente o prestígio da equipa nacional.
É necessário evitar, que os Palancas Negras voltem a mergulhar na incerteza. Fazer resultados por mero acaso. Se há algum mérito nesta direcção da FAF, este assentaprecisamente no facto de ter encontrado este treinador. É competente e barato, se comparado com outros, que já orientaram os Palancas Negras. É igualmente recomendável, que os treinadores possam fazer, no mínimo, um ciclo olímpico, quatro anos, período capaz de oferecer ao treinador não apenas estabilidade emocional, mas também melhor conhecimento dos jogadores, da cultura dos povos e outras informações, que influenciam as suas decisões.Há informações de que o candidato ao cargo de seleccionador é um treinador português.

Nada contra o povo nem Portugal. Por mim, treinadores portugueses são para esquecer. Já os tivemos que se farta. Último deles é de má memória, de seu nome Manuel José.Se alguém pudesse fazer tudo, para manter o actual seleccionador, iria fazer um favor aos Palancas Negras e ao País. É preciso evitar que a FAF do Artur de Almeida continue a somar disparates. Teixeira Cândido


Últimas Opinies

  • 19 de Outubro, 2019

    Quem quem no nosso Girabola Zap?

    A medida que as jornadas se sucedem, o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão vai aquecendo, tomando melhores proporções competitivas que provoca igualmente um maior arrasto dos prosélitos.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O desporto angolano conquistou alguns resultados satisfatórios, sendo de destacar a conquista inédita do Campeonato do Mundo e mais recentemente o “’Africano.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    O rolar dos patins

    Deu-se na tarde de ontem,  a ‘stickada’ inicial da presente edição do Campeonato Nacional de hóquei em patins, que é marcada pelas ausências das equipas do interior do país e que conta com a participação de seis emblemas militares.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou regozijado com a presença do Ivanildo Lopes na elite da arbitragem da CAF. É a primeira vez que Angola tem um trio ao mais alto nível da Confederação Africana de Futebol. Ele tem à porta aberta para a elite A. Se ele continuar com a mesma dedicação, brevemente poderá conseguir tal desiderato.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Renncia anunciada

    Razões a ver com a falta de apoio institucional para o desenvolvimento de acções e projectos ligados ao desporto adaptado, podem levar o presidente do Comité Paralímpico Angolano a renunciar o cargo, exausto que está de promessas vãs, que colidem com aquilo que são as suas expectativas à frente deste órgão desportivo.

    Ler mais »

Ver todas »