Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sentimento do dever cumprido na Tanznia

27 de Abril, 2019
Depois dos apuramentos inéditos para as fases finais dos Campeonatos do Mundo de Sub-20 na Argentina (em 2002) e de Honras na Alemanha (2006), respectivamente, o futebol angolano vai voltar a marcar presença numa grande cimeira à escala planetária. Desta vez, as honras cabem à Selecção Nacional de Sub-17, que se qualificou para o Mundial deste ano a ter lugar no Brasil, entre Setembro e Outubro próximos.
O feito foi alcançado com a qualificação do conjunto às meias-finais da edição do Campeonato Africano das Nações (CAN) de Sub17, que decorre em Dar-es-Salam, Tanzânia , que cerra as cortinas amanhã ,com a final entre a Guiné Conacry e Camarões.Os dois conjuntos reeditam, assim, o duelo do primeiro turno desta cimeira de futebol continental, em que estiveram no Grupo B, depois de afastarem nas meias-finais, quarta-feira, a campeã mundial Nigéria e Angola, curiosamente na lotaria dos penálties.Depois do persistente empate nulo verificados no final dos 90 minutos de ambos os desafios, a selecção guineense impôs-se sobre a similar nigeriana com uma vitória de 10-9, após um 5-5 na primeira ronda da série de grandes penalidades, ao passo que a turma angolana perdeu para a camaronesa por 3-4.
Ambos jogos foram disputadíssimos.Angola que em Dar-es-Salam confirmou a sua quarta presença num CAN, depois de competir nas fases finais de 1997 (no Botswana), 1999 (Guiné Conacry) e de 2017 (Gabão), respectivamente, bateu-se de forma honrosa com os seus oponentes na prova.
O conjunto às ordens do português Pedro Gonçalves logrou um triunfo com sabor redobrado na última ronda da primeira fase, ao vencer por 4-2 a anfitriã Tanzânia no jogo válido para o Grupo B, que lhe permitiu, então, disputar as meias-finais e apurar-se simultaneamente para o Mundial. Foi uma vitória construída com arte e engenho.
O combinado angolano de Sub-17 provou por A+B o momento ascendente que vem evidenciando no seu futebol. Aliás, Angola havia dado já um sério aviso à concorrência com a conquista em 2018, em Belle Vue, nas Ilhas Maurícias, da Taça COSAFA, com a equipa nacional do referido escalão. Apesar de não lograrem a qualificação inédita à final deste CAN de Dar-es-Salam Angola patenteou um futebol vistoso e digno de realce. Frente aos Camarões a equipa jogou o que pôde e tendo, inclusive, criado as melhores oportunidades para visar a baliza adversária, com a mais flagrante destas a acontecer aos 89 minutos, quando David, num lance em que se isolou, mas não conseguiu bater o “keeper” camaronês.
Na lotaria das grandes penalidades, a sorte acompanhou a selecção dos Camarões, que acertou nas quatro primeiras tentativas e ao passo que a de Angola em apenas três. Na marcação do quinto penálti, o jogador angolano indicado, para o efeito, voltou a claudicar, não havendo daí mais a necessidade de a equipa adversária transformar o que lhe era reservado, garantindo daí a qualificação para a final deste domingo.
Ainda assim, deve-se reconhecer que os nossos bravos rapazes foram briosos. É verdade. Com duas vitórias e uma derrota na primeira etapa, a Selecção Nacional de Sub-17 logrou a inédita qualificação às meias-finais de um CAN da categoria.
O conjunto começou com um triunfo na ronda inaugural do Grupo A sobre a congénere do Uganda por 1-0, depois perdeu para a campeã mundial, Nigéria, na segunda pelo mesmo ‘score’. Depois, no último sábado, fez o que lhe competia, batendo a equipa da casa por 4-2, num duelo em que além de garantir a qualificação às semi-finais deste CAN, com se disse, garantiu, ainda, em antecipação, o passe para o Mundial deste ano.
Importa frisar que mesmo na derrota diante dos nigerianos, na segunda jornada, os pupilos de Pedro Gonçalves evidenciaram grande postura, dando uma excelente réplica aos oponentes e vai, daí, que se no final dos 90 minutos regulamentares o desafio terminasse empatado, não seria algo de surpreender. Hoje, no jogo de atribuiçãodo terceiro lugar, frente a este mesmo adversário, os Palanquinhas devem bater-se, igualmente, com dignidade, e, quiçá ocupar o último lugar do pódio, que dá acesso à medalha de bronze.
Por isso mesmo, é inequívoco que Angola carimbou o passaporte para a fase final do Campeonato do Mundo, que se disputa no Brasil de 17 de Setembro a 5 de Outubro deste ano, com todo mérito e sem precisar favores de quem quer que seja.
Independentemente do que venha a ocorrer no jogo das classificativas do terceiro e quarto lugares, no cômputo geral a Selecção Nacional de Sub-17 já cumpriu o seu objectivo e sai deste CAN com sentimento de dever cumprido. Agora resta esperar, então, pelo hastear da Bandeira Nacional na grande cimeira que vai acontecer nas Terras do Samba. Até lá venha o que vier para os nossos Palanquinhas!!!... Sérgio V.Dias

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »