Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sinais de saturao

29 de Outubro, 2018
A Federação Angolana de Futebol e os clubes que participam no Girabola, não podem continuar a ignorar os sinais de saturação do actual modelo de competição. Há um ciclo para tudo, assim diz a natureza.O modelo socialista do Girabola não é para o século XXI, que assiste uma pressão enorme sobre os Estados como nunca. Os cidadãos exigem hoje respostas dos seus problemas em vinte e quatro horas, o que em situação normal levaria um mês ou meses a ser resolvido. Os Estados estão pressionados a canalizar os escassos recursos- sempre o foram comparando com as necessidades- para necessidades urgentes. São poucos os que toleram ver os Estados canalizar recursos para uma actividade, que se pode autosustentar. Não faz sentido insistir na música de que o público não gosta ir aos estádios de futebol. É uma tese amadora. O público do futebol é quase o mesmo que enche os espectáculos de música. É preciso ir buscar especialistas. É preciso estudos de mercados, para conhecer a realidade e, com estratégias de marketing devidamente elaboradas, satisfazer as necessidades dos adeptos; os seus desejos. Este é o primeiro passo. Um estudo de mercado, que permita saber como levar o público para os estádios, como vestir o público com o merchandising. Este exercício devia ser feito pelos gestores da Liga e dos clubes, cada um à sua medida. Os clubes devem colocar as atenções na maximização das suas receitas, e a Liga na valorização do produto, que se chama Girabola. Para isso é necessário romper com o discurso socialista de que o Girabola é um factor de unidade nacional, pelo que deve ser disputado por todos e de qualquer maneira. Este modelo está ultrapassadíssimo.
O País está caminhar para a terceira década de economia de mercado. À parte os vícios e as maracutais, que o mesmo foi vivendo. É importante que os actores principais desse jogo acordem. Acabou em 1991 o modelo de economia planificada. O Estado já está se desfazer de algumas empresas, sinal de maturação desse modelo económico, e os senhores do futebol ainda estão embrulhados na manta do \"tudo pelo povo\". O episódio das dívidas, que ia comprometer a presente edição, é o sinal vermelho. Se nada for feito, um dia não teremos Girabola. A Liga era para ontem. Os clubes precisam abraçar o profissionalismo, no sentido mais restrito do conceito. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »