Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Suspense at ao correr das cortinas

21 de Setembro, 2017
O Girabola caminha a passos largos para o final. Estamos a cinco jornadas, frenéticas, para o correr das cortinas da maior prova desportiva do País, e as coisas prometem aquecer (se já não estão). Não só no topo, também, na cauda da tabela classificativa. A luta nos dois pólos está bem evidente, embora, com algumas diferenças. Se, por exemplo, em relação a luta pelo título, as atenções estão centradas em duas equipas, Petro de Luanda (56) e 1º de Agosto (55) , sem qualquer desprimor para o Kabuscorp (43), cujo presidente disse que nada ainda está perdido, o mesmo não posso dizer em relação à despromoção.

Aqui, salvo o Santa Rita de Cássia, que ao perder em casa no fim de semana, ditou, praticamente, a sua sentença. São cinco as equipas que travam despique cerrado, para não acompanharem a equipa do Uíge.Do quinteto, Bravos do Maquis (26), Académica do Lobito (24), ASA (23) JGM (21) e Progresso da Lunda - Sul (20), saem as duas equipas para acompanharem, na próxima temporada, o Santa Rita de Cássia.

Ao meio da tabela está tudo tranquilo. A luta não é tão frenética, comparada com o que acontece no topo e na cauda. Kabuscorp (43), Sagrada Esperança (43), Recreativo do Libolo (42) e Interclube (39), equipas que inscreveram os nomes na galeria dos campeões, já resignadas à possibilidade de não chegarem ao título, embora, teoricamente o Kabuscorp e o Sagrada Esperança vejam uma luz no fundo do túnel. Mas não passa disso mesmo.

A sede de vencer está nos olhos de todas as equipas. Contudo, pese toda esta sede na luta pelo título, e para evitar a despromoção, nem todos podem atingir este desiderato. Só uma equipa vai ser campeã nacional, e apenas duas acompanham o Santa Rita de Cássia, para o “Inferno”.

Pessoalmente, acho que vamos ter uma ponta final escaldante, disputada, competitiva, como aliás, costuma ser apanágio nestes últimos anos. Aquilo que o Girabola nos tem direccionado desde o pontapé de saída, é a grande ambição, grande dedicação ao trabalho, e grande rigor da parte de todas as equipas, embora, nem todas atingem as metas traçadas no início da prova.

No final das 30 jornadas, quem somar o maior número de pontos, vai sagrar-se campeã nacional e quem não atingir os mínimos imprescindíveis, vai suportar a descida de divisão. No final, os resultados são definitivos, terminada a prova, nada mais há a comentar.É a rotina, de qualquer campeonato nacional, e não só. Em Angola e no mundo inteiro.

Realisticamente, manifesto o meu orgulho pela competitividade da presente edição do Girabola, em que o título de campeão está por decidir. As alternâncias, semanalmente, no topo da tabela classificativa, ajudam a apimentar mais a prova.Peço aos adeptos das equipas, que lutam pelo título e as que evitam a despromoção, que se focalizem no que é fundamental, e que se dê espaços e visibilidade aos verdadeiros artistas, que são os jogadores e os treinadores, com estes a terem um papel preponderante no tocante à disciplina.

A faltarem cinco jornadas, o equivalente a 15 pontos, é normal dizer que aguarda-se com elevada expectativa o correr das cortinas.Contudo, mais do que abordar estas cinco derradeiras jornadas de um campeonato que está aos níveis máximos de emoção, analisar acontecimentos trágicos que nunca deviam acontecer, como aconteceu na primeira jornada, no Uíge, no jogo Santa Rita de Cássia -Recreativo do Libolo (para quando os resultados do inquérito?), ou detalhar erros grosseiros, que prefiro sugerir a preparação do encerramento da época com a indispensável imparcialidade, e a organização criteriosa na próxima temporada.

A conclusão de um campeonato, deve ser usada, também, para sugerir rumos e processos para melhorar o futuro. Parabéns antecipados a quem for campeão, confiança no regresso a quem descer de divisão, e a todos os outros felicitações por darem o máximo.Profunda reflexão a todos, porque até à disputa da 30ª e última jornada, muita água vai correr ainda, por debaixo da ponte.
Policarpo da Rosa

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »