Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Temos marketing desportivo em Angola?

08 de Julho, 2019
Em Antes de começar a abordagem do artigo, permitam-me que faça uma \"rápida curva, prometo que não vou perder o controlo do volante\", para rapidamente apresentar um entendimento generalista sobre marketing, como ferramenta da comunicação.
Isso mesmo, o marketing é uma ferramenta da comunicação.
O objectivo do marketing dentro da comunicação é o de estudar e acompanhar o ciclo de vida de um produto ou serviço, desde a sua concepção, até à compra ou consumo. O marketing posiciona as marcas, entende os desejos dos clientes e seus hábitos de consumo e cria relações.
O marketing desportivo é uma variação do marketing, para alcançar os mesmos objectivos, através do desporto e dos seus valores associados.
Com o entendimento do cenário acima, passo, então, a crítica do marketing desportivo exercido em Angola.
Analisando alguns trabalhos realizados, principalmente, a forma como os ditos directores de marketing desportivo, seja os que estão ligados aos clubes, como os que têm uma relação profissional com as demais Federações desportivas, \"vendem o seu peixe\", fica claro, que o conceito de marketing desportivo no país está desvirtuado.
Por aqui, o marketing desportivo abrange outras especialidades e na maioria das vezes, perde-se no aprofundamento das suas estratégias.
A gestão desportiva dos clubes e Federações, os contratos celebrados com atletas, a assessoria de imprensa, as relações públicas, a busca de patrocínios para o clube ou Federação e até mesmo o plano e execução de uma estratégia digital, são atribuídos a todos os membros, inclusive, ao massagista, roupeiro, secretária do presidente, menos a um \"profissional de marketing desportivo\"!
Isso, faz dos tais ditos profissionais de marketing desportivo, que pululam por aqui e acolá, menos completos? Não! Isso, faz que os conceitos de marketing e de outras ferramentas não sejam executados de forma profunda.
Os objectivos de comunicação de uma marca desportiva ao contratar um director de marketing desportivo, não são completamente cobertos, porque os profissionais (generalizando) têm conhecimentos de marketing rasos e abrangentes.
O \"profissional de marketing desportivo\" em Angola, que somente vende um patrocínio na camisola de um clube para uma marca, devia ser chamado de \"intermediador de negócios\" (ou algo, próximo a isso).
O verdadeiro profissional de marketing desportivo entende o objectivo da marca e oferece soluções para isso. O objectivo é a visibilidade? É a construção de marca? É acelerar as vendas? Dois, ou três, juntos?
O patrocínio na camisola, por exemplo, é só uma, entre muitas tácticas, mas todos os demais pontos de contacto entre o público e a marca precisam de estar cobertos com a mesma comunicação e objectivos, em primeiro plano. O mercado está abastecido de produtos da marca desportiva? O preço está compatível? Existe um plano de comunicação complementar?
Que outras ferramentas de comunicação devem ser trabalhadas para que os resultados apareçam? Novamente, o profissional de marketing desportivo não deve ser o responsável, por isso, mas deve planear e entender se a estratégia de investimento no desporto, condiz com os objectivos de comunicação do clube ou Federação.
Um director de marketing desportivo, do Petro de Luanda ou do 1º de Agosto, está errado se denominar \"profissional de marketing desportivo\"? Sim e não.
A denominação desse profissional não devia ser essa, mas o mercado local criou essa cultura e os novos profissionais nascem a respirar esse molde.
De novo, o problema está, no não aprofundamento de estratégias para atingir os objectivos dos adeptos e sócios do clube — porque, são eles que devem cobrar mais qualidade nas entregas!

Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo


Zongo Fernando do Santos

Últimas Opinies

  • 14 de Outubro, 2019

    Objectivo alcanado

    Terminou na passada sexta-feira, em Benguela, o Campeonato Africano de futebol para amputados, que durante dias a fio juntou naquela cidade do litoral angolano seis países, sendo cada qual com a sua capacidade competitiva, com a sua ambição e com a sua meta estabelecida no certame.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Mais um campeonato sem clima de Girabola!

    Já se tornou costume dizer-se, que os campeonatos de futebol da primeira divisão, não importa o país em que se realiza, devem dar aos prosélitos e amantes do futebol o que eles mais querem ver.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Devolver o basquetebol aos seus

    Ver um clássico do basquetebol nacional hoje as vezes dói. Continua a ter alguns bons executantes é verdade. Carlos Morais,Valdelicio, Armando Costa e uns poucos são ainda os tais que nos mantém nos sofás.

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    Os nossos embaixadores e a lotaria da Champions

    Há quase 40 anos a participar nas provas da Confederação Africana de Futebol (CAF), nesta época, pela primeira vez na história, o desporto-rei no país testemunha a presença simultânea de duas equipas angolanas na fase de grupos da maior prova de clubes continental.

     

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    possvel o 1 de Agosto e o Petro chegarem l!

    A entrada dos dois colossos do futebol angolano, para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, é um feito transcendente e que pode despoletar outros benefícios mil, se tivermos em conta toda a avalanche de interesses que encarna as hostes de um e de outro que, decididamente, partem em busca da conquista da África do futebol.

    Ler mais »

Ver todas »