Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tirar o marketing desportivo da"misria com a barriga cheia"

07 de Janeiro, 2019
Os nossos clubes e as nossas selecções, há muito que deviam orientar-se pelo marketing, no desporto ou através do desporto.
Na actual realidade económica e financeira do país, esta parece ser uma equação complexa, o primeiro passo para esta mudança é justamente começar a olhar de \"frente\" para o desporto, como um negócio e com imenso potencial de consumo.
Orientar-se pelo marketing desportivo, passa por levar em conta as necessidades, às expectativas, os desejos e preferências dos consumidores \"directos\" e \"indirectos\" do desporto, procurar satisfazê-los de forma oportuna e rentável.
Porém, tal aspiração só deve ser concretizada com sucesso, se antes forem desenvolvidas e activadas acções assertivas, baseadas numa planificação, que ao invés de ser a mais ideal, leve em conta a realidade, ter como premissa dois pilares fundamentais, ou melhor dois grandes segmentos, que funcionem como \"irmãos siameses\" no marketing desportivo, nomeadamente:
- Os produtos e serviços desportivos que são construídos e se relacionem directamente com o consumidor desportivo;
- E, as acções levadas a cabo por determinados agentes, que embora não tenham uma relação directa com a prática desportiva, usem o desporto como veículo de comunicação, para de propósito estarem \"o próximo mais próximo\" do seu público -alvo.
Senão, vejamos: se o marketing empresarial visa tornar um produto e/ou serviço mais atractivo e atraente aos olhos de um determinado público -alvo, o marketing desportivo, acrescido do facto de concorrem factores intangíveis, como emoção, paixão e consumo, tem como objectivos a promoção da imagem de marca dos clubes e dos seus principais activos, como por exemplo, os seus atletas.
Creio, que até aqui, deve ficar evidente a contribuição que o marketing pode vir a ter na prosperidade financeira dos clubes, hoje, facto pelo qual o artigo que o prezado leitor tem em mãos, pretende não só chamar a atenção, também, trazer à razão.
Um clube que deseja orientar-se pelo marketing, deve levar em consideração que a sua identidade ou marca desportiva, leva-lhe a ter características únicas, distintas e próprias, e como tal, é necessário que a planificação estratégica e táctica de marketing desportivo traçada, tenha uma percepção e saiba identificar, interpretar e caracterizar as necessidades e oportunidades, por um lado dos sócios, adeptos e simpatizantes, e por outro lado, dos patrocinadores e parceiros.
Mas é importante deixar aqui, bem marcado e sublinhado, o facto de qualquer que seja o clube em Angola ou no Mundo, só obtém sucesso, na medida que se for orientado pelo marketing, se necessariamente der atenção a duas importantes perspectivas.
A primeira, se tiver dentro das estruturas orgânicas de funcionamento, profissionais de marketing de \" fato-macaco\" (porque existem pára-quedistas a pulular por aí, à procura de um lugar ao solo) que tenham capacidades, habilidades e qualificações para fixar objectivos concretos e metas realísticas.
A segunda, que os referidos clubes sejam capazes de centrar todas as suas preocupações, no conhecimento quantitativo e qualitativo do mercado onde estão inseridos e onde realizem as suas actividades quotidianas.
Marketing é uma ferramenta, que os clubes devem apostar, não só num contexto de retracção e condicionalismos financeiros, como o que estamos a passar, também, como forma de buscar recursos financeiros complementares, muito além do \"sacrificado\" e \"torturado\" apoio que o estado angolano oferece, aliás, um Estado que muito ainda faz para manter a chama bem viva do desporto nacional, principalmente, nas vertentes de socialização, agregação e inclusão.
Em jeito de “apito final”, no que este artigo diz respeito, gostava de recomendar aos nossos clubes, em Angola, que se deixem orientar pelo marketing, para que deixemos de ficar pelo pouco ou pelo quase nada, quando na realidade se está a perder muito dinheiro.
ZONGO FERNANDO DOS SANTOS
*Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »