Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por

Tudo pelos Palancas Negras!...

27 de Junho, 2019
Enquanto durar a presente edição do Campeonato Africano das Nações (CAN) que se disputa no Egipto, o que mais me ocorre enaltecer é a minha condição de angolano em pleno uso dos direitos em todos os campos, o que faz de mim um cidadão com a liberdade de apoiar a equipa nacional, seja no que for e der.
É em situações como estas, em que os símbolos maiores da angolanidades, refiro-me a bandeira e o hino nacional, flutuam e levam o nome de Angola aos mais recônditos cantos do mundo, que sinto redobrado o orgulho em ser angolano e, mais do que isso, defender a pátria em que nasci, cresci e espero nela dar o último grito de suspiro e agradecimento pela vida.
Pela paixão do desporto, em particular do futebol, multiplico a paixão pela minha pátria, à quem disponibilizo apoio total e incondicional, quanto mais não fosse, na prova considerada a maior manifestação futebolística realizada no continente negro, que é também o berço da humanidade, que atiça o apetite desmedido dos abutres que nela vêm debicar o seu pedaço. O vermelho, preto e amarelo da bandeira nacional, cada palavra, quadra, estrofe, refrão do Hino Nacional, com todo o simbolismo que deles carrego no âmago, provocam uma “febre” mental, que me leva a auto designar-me mais “Palanca Negra” que qualquer outro, respeitando, claro, o sentimento alheio, assim como peço que respeitem o meu e, quanto a isso, pronto.
Tal sentimento, me permite criticar quando está mal, elogiar quando está bem, e sugerir sempre que se notar a possibilidade disso, dentro dos marcos da urbanidade em que deve assentar qualquer abordagem de determinado fenómeno social, atendendo a característica heterogénea dos cidadãos.
Nesta heterogeneidade, é possível, claro, estabelecer-se um denominador comum, que nos obriga, com as devidas aspas, a fazer tudo e mais o resto em prol das Palancas Negras, para as quais auguro conquistas maiores que todas até aqui conseguidas nesta prova, o que, aliás, não deixa de ser um dos objectivos à que a selecção se presta.
O empate com a forte selecção da Tunísia, deixou em aberto a possibilidade de, pelo menos, ser possível atingir a segunda fase da prova, acção que, em primeira instância, passa por vencer o jogo de sábado, frente a Mauritânia, que verdade seja dita, não ostenta os mesmos galões que as Palancas Negras.
Conseguida a pretendida vitória, as atenções estarão viradas para os quartos de final que, ao ser uma realidade, será o escrever de uma página no livro da história do futebol sénior masculino, especialmente em relação ao Campeonato Africano da Nações, do qual o melhor que conseguimos foi atingir a segunda fase, equivalente à oitavos de final.
E, como se diz na gíria, sonhar não é crime nem se paga, o apelo que lanço, no exercício da minha angolanidade desportiva, vai no sentido de cerrarmos fileira em torno do apoio que nos seja possível emprestar a favor da nossa equipa nacional, que deve ser um orgulho colectivo. Claro está, que o avolumar de vitórias no campo desportivo, abre outros horizontes que leve o mundo a olhar Angola, para lá do capítulo particular do futebol, e é bom que isso ocorre, numa altura em que são válidas todas as hipóteses que relancem o país nos seus mais diversos aspectos, com maior pendor para a captação de investimentos, que possam catapultar a nossa economia que anda como anda.
Por tudo e para tudo, mais do que angolanos, sejamos, neste período que decorre o CAN, Palancas Negras, disponíveis e dispostos para o grito de vitória, que os nossos
compatriotas precisam para atingir os resultados que à todos nos satisfaçam, e caso não estejamos a sonhar alto, que, pelo menos, joguemos a final. Carlos Calongo

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »