Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Um ano difcil

31 de Dezembro, 2018
Enfrentadas com sucesso, em alguns casos, e com insucessos, em outros, as peripécias de um ano, que por natureza impõe desafios ao homem, chegamos, hoje, ao último dos 365 dias do calendário. Olhamos para trás, o senso analítico impele-nos à análise do que fizemos e do que por várias e redobradas razões, ficou na gaveta dos projectos adiados.
Estaremos todos, empresários, funcionários públicos, desportistas e chefes de família, envolvidos neste exercício. Desportivamente, o ano não foi ruim mas também não se pode considerá-lo frutífero. Várias, são as dificuldades com que se vê confrontado o sector. Que venham a público os fazedores da \"coisa desportiva\", revelar o seu tormento.
Aliás, o momento actual do nosso desporto, deixa-nos, vezes sem conta, de cabeça às voltas, para perceber o \"leit motiv\" da sua hibernação. Há, pois, quem associa tal quadro a alguma falta de argúcia da nova vaga de dirigentes. Entretanto, de permeio, coloca-se também a questão da galopante recessão económica. É possível o desporto sorrir em meio de limitações financeiras? Parece-nos que não.
O ano que termina deu-nos a ver, que o nosso desporto tende em resvalar para a sarjeta do amadorismo, escasseiam as condições para manter-se no trilho do profissionalismo. O desporto, no sentido real da palavra, é o que se faz com vitalidade e profissionalismo, que tem a faculdade de movimentar multidões, que conforta financeiramente os seus actores directos.
Temos um desporto que expõe, claramente, a nudez. Quando líderes de clubes, de Associações e ou de Federações vêm a público queixar-se de quase tudo e de nada, é porque a situação inspira sérias cautelas, o que preocupa, quando sabemos à partida, o lugar que ocupa e sempre ocupou o desporto na estrutura política do país.
Constata-se que para tanto não é preciso fazer muito exercício para perceber que o desporto está a perder nos dias presentes, a expressão competitiva de outros tempos. Quando já faltam condições para estágios pré-competitivos, ou para pagamento dos honorários de técnicos e de atletas, é porque se está a fazer, como dizia um certo político da nossa era, a curva mais apertada. Infelizmente, foi esta a fotografia, a preto-e-branco, do desporto nacional em 2018.
Na verdade, o quadro é penoso e dantesco, sobretudo, porque não se vislumbra no horizonte sinais de melhorias, que se anunciem para a médio ou a curto prazos. Afinal, tudo é determinado pela saúde financeira. Receia-se, que os níveis de qualidade produtiva, conheçam uma queda aparatosa, nos próximos tempos. A obtenção de marcas competitivas fabulosas passa, necessariamente, por um trabalho de base assente em fortes vigas estruturais, que em regra, é determinada pela capacidade financeira.
Ainda assim, diga-se que por entre esta maré de limitações, nem tudo foi um cortejo de dramas e fracassos, em 2018. Com um ADN competitivo, os angolanos conseguiram fazer sorrir o país, a nível de algumas modalidades. O futebol para adaptados arrebatou o título mundial no México, na que pode ser tomada como a melhor safra do ano.
A selecção de andebol sénior feminina, ousada e destemida como sempre, venceu o Africano de Brazzaville, apurando-se para o Campeonato do Mundo da China. Tratou-se do 13º título, marca jamais atingida por uma outra selecção, a nível de outras modalidades. O basquetebol, pese o facto de estar uns furos a baixo do seu potencial, assegurou, igualmente, a qualificação ao Mundial de 2019.
Mesmo os Palancas Negras, diga-se de passagem, deram um ar da sua graça. No ano, que hora menos hora, passa para a História, exibiram-se a um nível que se pode considerar aceitável. Apesar de terem deixado para a última jornada o apuramento ao CAN\'2919, já se revelam uma equipa mais adulta, batalhadora e intérprete de um futebol alegre e vistoso.
Há outras modalidades, que também estiveram em grande plano, ao longo do ano. Porém, descrever uma a uma, torna-se um exercício fastidioso, para além do espaço não permitir rodriguinhos e floreados. O novo ano pode ser melhor, desde que os deuses do desporto não se deixem superar pela força do Diabo. Como se diz agora, \"é só orar\"....
Matias Adriano

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »