Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Um empreendedor

13 de Fevereiro, 2020
São de aplaudir algumas iniciativas empresariais de agentes privados ligados ou não ao sector desportivo. A notícia, segundo a qual a Fundação Norberto de Castro vai investir na construção da fábrica de material desportivo é, realmente, de louvar. Pois, vem revitalizar uma área que há muito hibernou, o que será bastante benéfico para os fazedores do desporto.
É sabido que em tudo o país ficou refém de importações. E o desporto não foi excepção. Todo material chega de fora, a começar pelas bolas, raquetes de ténis, uniformes etc, etc. Isto tem feito com que os gestores desportivos se submetam a uma série de ginásticas para a obtenção de divisas, que permitam fazer tais despesas no mercado externo.
Depois que a York (Huambo) e da Armag (em Luanda), viram-se forçados a encerrar as suas unidades fabris, a aquisição de material desportivo passou a depender completamente do mercado externo. É evidente, que mesmo com a produção interna em alta há sempre quem prefira produto made in Portugal, Holanda, França ou outro destino. Mas isto é opcional.
A esmagadora maioria, e, às vezes, em função da sua condição financeira ou de privilégio à política de parcimónia, prefere sempre o nacional, livre de impostos aduaneiros e de outros encargos financeiros. Quando tudo depende da importação a começar por um simples stick, fica difícil levar avante a política de massificação.
Norberto de Castro, depois do sucesso no campo de formação, a olhar pelos frutos da sua escola projectados no futebol nacional, dá evidências da sua apurada visão de empreendedorismo. Se calhar, com os olhos mais voltados para a necessidade de melhor servir o desporto, vê-lo noutro patamar, do que para os lucros que o negócio pode vir a proporcionar.
A Fundação Norberto de Castro, que nunca foi reconhecida como Instituição de Utilidade Pública, marca mais um passo significativo no quadro das acções, que tem vindo a desenvolver a favor das comunidades. O desporto sairá vitorioso, quando aquilo que hoje se consegue com muito esforço e exercício, poder ser adquirido internamente.
Sem avançar custos e capacidade instalada, a fábrica vai produzir material desportivo para várias modalidades, como bolas, calções, meias, camisolas, sapatilhas, fatos de treino. De acordo com a expectativa do patrono da Fundação Norberto de Castro, caso não surjam imprevistos, a fábrica entra em funcionamento dentro de uma ano.
Outro lado positivo da iniciativa, está na particularidade de quando a fábrica entrar em funcionamento poder oferecer postos de trabalho à massa juvenil, numa altura em que o índice de desemprego anda em alta no país. Portanto, está aqui um projecto que não só deve ser aplaudido, mas como também ser apoiado na sequência da sua implementação.

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »