Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Um Patriota um Desportista

26 de Setembro, 2017
Deste tema proposto pelo meu companheiro Carlos Calongo, devo sublinhar que, em boa verdade, desportivamente falando, há muito a dizer de José Eduardo dos Santos, que hoje pratica o seu último acto neste cargo de estadista, cedendo democrática e constitucionalmente lugar a João Lourenço como Presidente da República e Chefe de Estado.

Acho mesmo que este espaço é diminuto para eu poder escrever sobre o oceano de feitos, directos e indirectos, protagonizados por José Eduardo dos Santos, com o espírito de missão estadista, no desporto.Mas, resumidamente, em termos políticos, considero ter cumprido a tarefa porque teve as suas impressões digitais na concretização de um desporto novo em Angola.

Na entrevista que deu à grande cadeia televisiva brasileira GLOBO, José Eduardo dos Santos, disse uma coisa que considero lapidar, ao que se exigia da luta nacionalista em que o mesmo e outros muitos actores estiveram envolvidos.Referindo-se, por exemplo, ao atacamento das ideias do Fundador da Nação, Agostinho Neto, neste particular José Eduardo dos Santos disse àquela televisão que \" era preciso criar esperança, romper ( o colonialismo, a discriminação), daí ter aderido a um pequeno grupo de jovens, colegas de escola para poder trocar ideias, procurar literatura, discutir um pouco os versos de Agostinho Neto, que já circulavam naqueles meios estudantis \".

Como é do desporto, do seu contributo e do envolvimento estatal que aqui estamos a tratar, julgo, portanto, que José Eduardo dos Santos tinha já interiorizado a necessidade de uma Angola Independente com desporto novo. Porque citei Agostinho Neto, julgo que José Eduardo dos Santos absorveu e interpretou o \"Adeus à Hora da largada\", poema inserto na obra Sagrada Esperança, em que Neto possou esta mensagem de luta :\"(...)Hoje, somos crianças nuasdas sanzalas do mato, os garotos sem escola, a jogar à bola de trapos, nos areais ao meio dia(...)\".

Era certamente um apelo apreendido para outro desporto, mais social, mais integrativo. Julgo também que não foi em vão que José Eduardo dos Santos, a uma outra grande entrevista que concedeu à cadeia televisiva portuguesa SIC, disse ser \" um homem do desporto emprestado à política\", e de natureza multifacetada. E se assim é não decepcionou. Como Presidente e Chefe de Estado deixará o campo político com grande capital de ganhos desportivos.

Por exemplo, na actual Constituição da República de Angola - sucedânea das anteriores Leis Constitucionais - vislumbramos dois artigos que podem sintetizar as balizas de que José Eduardo dos Santos serviu-se para os ganhos, para as vitórias, para os triunfos que o desporto angolano tem somado até hoje.

Artigo 31, nº 1:- \"O estado, com a colaboração da família e da sociedade, deve promover o desenvolvimento harmonioso da personalidade dos jovens e a criação de condições para a efectivação dos direitos económicos, sociais e culturais da juventude, nomeadamente (...)acesso no desporto\".

Artigo 49 nº 2 : \" O Estado promove o acesso de todos os cidadãos (...) ao desporto, garantindo a participação dos diversos agentes particulares na sua efectivação nos termos da Lei\". É, portanto, por conta do que emana destas normas, densificadas nas leis ordinárias, que, ao longo dos anos de Angola dirigida por José Eduardos dos Santos, o Pais tem um desporto que se revela dos sectores da vida social que muitos ganhos e alegria proporciona.

E neste capitulo, o realce vai para o facto de, além das obras e feitos nacionais, o desporto em termos de participações internacionais ajuda a projectar e a capitalizar a imagem, o nome e a bandeira do País no exterior no período em que quase uma das \"imagens de marca\" da nação era vista do estrangeiro como sendo apenas guerra civil, que só terminou a 4 de Abril de 2002, com a assinatura dos Acordos de Paz , na cidade do Luena, Moxico.

O Estado Angolano, nos anos de consulado de José Eduardo dos Santos, criou políticas para o desporto e para, este fim, nomeou , com confiança política e técnica, dirigentes para a execução deste segmento da vida social. Reza assim na história desportiva que caucionou as escolhas de Hermanegildo Vieira Dias, seguindo-se, Rui Mingasx, Osvaldo Serra Van-Dúnem, Marcolino Moco, Sardinha de Castro, Justino Fernandes, Barcos Barrica, Gonçalves Muandumba e Albino da Conceição.

Depois foram apenas vitórias que o Presidente orgulhosamente também aplaudiu. Desde que o País obteve a sua primeira medalha de bronze para o desporto angolano, conquistado no atletismo, na disciplina de Triplo Salto, durante os Jogos Olímpicos de Nairobi Quénia, passando por outras realizações e conquistas, como a primeira participações nos Jogos Olímpicos de Moscovo, e seguintes, a ida ao primeiro CAN e Mundial de futebol, títulos africanos de basquetebol, andebol, atletismo, judo, enfim... foram o resultados de políticas desportivas orientadas por José Eduardos dos Santos.

Está de saída da Presidência. Por algum tempo ainda estará na política activa e certamente continuará a dar também o seu contributo à Nação.
\" Eu gostaria de ser recordado como um bom patriota \", disse José Eduardo dos Santos na citada entrevista à SIC, onde, depois, acrescentou que \"posso trabalhar em várias áreas\".Eu acho, assim, que sendo José Eduardo dos Santos um homem do desporto, pode continuar certamente a servir este sector da vida social.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »