Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Uma derrota anunciada

03 de Junho, 2019
As declarações do presidente do 1º de Agosto sobre a direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF) é um alerta vermelho para a gestão de Artur Almeida e Silva. Ao desencanto do 1º de Agosto associam-se outros como o do 1º de Maio de Benguela e do Kabuscorp do Palanca.
Não sei quantos clubes aprovam a gestão de Artur Almeida e Silva. O presidente da FAF não pode se queixar de falta de experiência. Foi por duas vezes vice-presidente. Mesmo que lhe faltasse experiência, nada justifica a pobreza do troféu e da própria cerimónia. Pareceu tratar-se de uma final de um campeonato de futsal, de funcionários de umas empresas quaisquer. E apesar das intensas críticas, Artur Almeida e a sua equipa nada disseram ao público adepto. Melhor, não se dignaram em justificar as razões daquela vergonhosa ausência na atribuição do troféu assim como o acto em si. Tratou-se do campeão da principal competição de futebol do País. Um País que já foi campeão africano de Sub-20, já pisou numa fase final de um mundial sénior, duas vezes presente nos quartos de final da Taça das Nações Africanas, CAN. Há dias, este mesmo País ficou na terceira posição num CAN de Sub-17, e qualificou-se para o Mundial da categoria. Portanto, não se trata de um País qualquer no futebol. Como pode então o órgão que rege a modalidade conferir ao seu principal campeão um tratamento deprimente? Artur Almeida e Silva não acrescentou ainda até agora um bloco sequer no edifício que os outros têm vindo a construir. O sucesso dos Sub-17 só perifericamente pode lhe ser atribuído, dado que os jogadores são trabalhados pela FAF, o treinador foi-lhe dado por empréstimo assim como muitas condições que permitiram a preparação.
É por isso legítimo que os clubes não o querem ver no comando da FAF. Não podem as condições financeiras justificar uma pobreza daquela ocorrida no Estádio 11 de Novembro. Aquele acto traduz falta de vontade e manifesto menosprezo pela competição maior do futebol angolano. Quem faz do futebol a sua actividade principal, o seu ganha-pão não pode, de modo algum, admitir uma gestão à Artur Almeida. A renovação tem de ser para melhorar nunca fazer pior. O futebol, reitero, não ganhou até agora nada com esta direcção. E pessoalmente duvido que ganhe, salvo uma magia de última hora. As críticas dos clubes podem significar para já uma derrota anunciada para Artur Almeida e Silva, caso decida concorrer outra vez. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »