Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Uma vitria promissora

13 de Outubro, 2018
A vitória dos Palancas Negras ontem, por 4-1, no estádio 11 de Novembro, diante da Mauritânia, abre perspectivas largas para que o nosso país marque presença na maior cimeira futebolística africana, a ser realizada no próximo ano, nos Camarões.
Embora tenha, no cômputo geral, feito seis pontos, a vitória do combinado nacional acaba por ser um sinal de que tem “estofo” para chegar lá.
A jogar em casa, diante do seu público, Angola fez jus ao seu favoritismo inicial, colocando em sentido uma selecção que, à partida, era tida como a “outsider” do grupo, onde pontifica a equipa do Burkina Faso, julgada ser a principal adversária, relegando o Botswana e esta Mauritânia para planos abaixo.
Ao contrário dessas previsões, a Mauritânia “assanhou-se” e surpreendeu, na segunda jornada da competição referente ao Grupo I de qualificação, a sua congénere do Burkina Faso, tida então como o verdadeiro “papão” do grupo, depois de na ronda inaugural ter batido Angola por 3-1.
Os três primeiros pontos alcançados pelos Palancas Negras na segunda jornada, diante do Botswana, abriram de facto perspectiva maiores, embora, convenhamos, o triunfo dos mauritanianos diante dos burkinabes não estivesse nas nossas previsões.
Ainda assim, acabou por animar o “puzzle” e conferiu maior competitividade e preocupação aos contendores, principalmente Angola, que tem imensas responsabilidades neste grupo, por precisar da qualificação como pão para a boca.
A vitória, nesta terceira jornada, confere agora preciosos seis pontos aos Palancas Negras, que precisam de continuar a consolidar as suas prestações.
Agora, no jogo de resposta, na Mauritânia, necessitam apenas de estar ao seu nível e atrapalhar as intenções do adversário que, de certeza quererá dar o troco no seu reduto. Um empate em casa alheia seria de facto “ouro sobre azul”, a julgar pela perspectiva inicial de se fazer, no mínimo, quatro pontos, neste duplo confronto. Ao ser assim, Angola poderia ficar muito mais próximo da qualificação e voltar aos grandes palcos, ausente que está há largos anos.
Na verdade, a postura que o combinado nacional evidenciou ontem, confere à todos os angolanos amantes do futebol, um alento grande de ela continuar a produzir emoções positivas, rumo à sua afirmação continental.
Para quem como Angola, esteve num mundial de futebol e organizou um dos Campeonatos Africanos das Nações (CAN) mais bem referenciados, o de 2010, deve aspirar estar sempre entre os melhores.
Deixa-me referenciar um outro aspecto interessante que, de certeza, a vitória de ontem não pode, nem deve esconder. Trata-se do caso do seleccionador Srdjan Vassiljevic, que na véspera de um jogo deste quilate, apresentou queixumes. Claro que o homem deve se ter saturado de imensas promessas e, na prática, não estar a ver absolutamente nada. Depois disso, houve naturalmente vozes da parte da Federação Angolana de Futebol (FAF) a tentar desmistificar e a dizer que, tudo está conforme e que o técnico foi já ressarcido das dívidas que permaneciam e que causavam alguma mossa.
Em minha opinião, isso não pode continuar assim. Ou estamos num processo sério, ou continuamos a brincar aos futebóis. Sabemos que as dificuldades são imensas. Há crises e, enfim, os financiamentos para acudir despesas não são fáceis de serem desbloqueados mas, pelo menos, sejamos coerentes ao tratar as questões com quem trabalha e já demonstrou que veio para ajudar, mesmo consentindo sacrifícios. Esperamos que a vitória alcançada ontem, sirva também de reflexão para quem manda no futebol e nisso estendendo a atenção aos atletas, regularizando as dívidas e criando, sobretudo, incentivos para as jornadas que ainda temos, para conseguirmos a qualificação desejada.
Apesar de tudo, a vitória de ontem significou apenas três pontos, que somados aos nossos três, fazem seis, e nada mais. Temos que continuar a somar, porque apenas se disputaram três das seis jornadas previstas. Tenho dito!
Morais Canâmua

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »