Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

V, em paz, Maneda!

31 de Dezembro, 2018
A intenção do presidente da Federação de Basquetebol Angolano (FAB), Hélder Cruz \"Maneda\", de deixar o cargo, por conta das críticas da imprensa, é por um lado risível, por outro, é uma manifesta ignorância da dimensão da modalidade.
A FAB não é nenhum convento e o basquetebol, masculino em particular, tem responsabilidades que exigem, de todos os angolanos, uma atenção especial. Bater na mesa, se for necessário. Exigir silêncio à imprensa, porque de outro modo, o presidente ameaça deixar o cargo, é brincadeira.
Da minha parte, devíamos oferecer-lhe uma estátua, pelos seus serviços e encontrar outros. Há um sem-número de pessoas, com curriculum, para assumir o cargo de presidente da Federação Angolana de Basquetebol. O importante, é que o Estado não se esqueça, de que as Selecções são de todos, merecem, por isso, condições para representar com dignidade o País.
Nomes para substituir “Maneda” existem aos pontapés. Há, inclusive, nomes que de modo ingrato o basquetebol maltrata e tem maltratado. Jean Jacques e Tony Sofrimento mereciam outro tratamento. Outra consideração. Jean Jacques, por tudo que representa para o basquetebol angolano e africano. É, simplesmente, o Jean Jacques da Conceição. Tony Sofrimento é um senhor executivo, conhece como poucos, os meandros do basquetebol angolano e africano. Qualquer um deles, pode e devia ocupar o cargo de presidente da Federação Angolana de Basquetebol. Deixem de encontrar, apenas, milionários para dirigirem as Federações. As Selecções Nacionais são de todos, merecem, por isso, toda e mais alguma atenção do Estado.
O receio de que as Selecções fiquem à deriva, caso “Maneda” abandone a direcção da Federação Angolana de Basquetebol, é um insulto ao Estado. Estamos em crise, mas acredito que paremos tudo, se não tivermos “Maneda” na FAB. Portanto, “Maneda” que vá. Estamos gratos, pelo dinheiro próprio que gastou. Mas não faça chantagem. Levem Jean Jacques ou Tony Sofrimento para a FAB, o basquetebol há-de agradecer.
Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »