Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A corrida do povo

29 de Dezembro, 2018
Dentro de 48 horas, Luanda vai ganhar uma movimentação ímpar, com a transição para o novo ano e com ela, a São Silvestre, corrida pedestre que encerra no país o lote de grandes acontecimentos desportivos vividos no país.
Embora os números não satisfaçam os organizadores, nem aos que ao longo do tempo se habituaram à passada larga dos atletas, um dado animador surge com a notícia de que o número de concorrentes supera, desde já, os participantes da edição passada.
Em boa verdade, a crise económica que assolou o país também teve reflexos negativos no desporto, no atletismo, nesse particular. A descida dos valores dos prémios, por falta de recursos financeiros, condicionou a vinda de fundistas de nível superior.
Daí, que por exemplo, a competição tenha ficado sem o seu carácter internacional, dada a ausência de atletas estrangeiros nas últimas edições.
Aos poucos, as coisas começam a compor-se. E, ainda que em número reduzido, a edição deste ano vai correr com seis estrangeiros do Quénia, Etiópia e Portugal, nos dois escalões, tem a organização a expectativa que esse número aumente nas próximas horas.Como sempre, a incógnita em relação à prestação dos angolanos vai prevalecer, até à altura em que for declarada, oficialmente, o fim da corrida. Por diversas vezes, corredores nacionais deram a alegria da vitória, com Aurélio Mity e João Ntyamba a superarem concorrentes estrangeiros.
Na edição de segunda-feira, os olhos dos angolanos vão estar virados para os seus representantes, de quem se esperam grandes performances, para que o ano prestes a terminar seja pleno, em termos de êxitos desportivos, depois da consagração dos nossos paralímpicos no Mundial de muletas, da conquista pelas nossas senhoras no andebol sénior de mais um campeonato africano, das muitas medalhas conquistadas pelo judo nos jogos da SADC, além do passe do basquetebol para o Mundial da China e o facto dos Palancas Negras estarem na corrida de mais um CAN.
Amanhã, a organização da corrida faz a última vistoria ao percurso da competição, para que às 17h00 de segunda-feira seja dado o tiro de largada, que vai levar os concorrentes à grande odisseia até ao Estádio dos Coqueiros, onde o vencedor será coroado com a devida honra.
A prova de Luanda é uma referência dentro das competições reconhecidas pela Federação Internacional da modalidade, motivo pelo qual o seu modelo de organização deve ser melhorado a cada edição.
A São Silvestre de Luanda já ganhou o seu espaço no mundo, porque trás até nós, os melhores atletas do mundo.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »