Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A crise e o novo tcnico

17 de Novembro, 2017
A crise das divisas, do dólar em particular, tem imposto aos clubes e às federações restrições na contratação de jogadores e treinadores estrangeiros. Muitos jogadores abandonaram o País, aceitando salários e competições menos expressivas do que receber os kwanzas, cuja circulação restringe-se aos espaço territorial de 1.246. 700 Km2.
Tem sido por isso avisado, aos clubes e às federações, centralizar as atenções para o mercado nacional, encontrando jogadores e treinadores à altura dos seus interesses. Contra todas as expectativas, porém, a Federação Angolana de Basquetebol foi ao mercado americano buscar um treinador para o \"cinco\" nacional.
E na ausência de uma informação acabada dos gestores do basquetebol nacional, uma procissão de perguntas se coloca. As primeiras das quais, onde e como a FAB irá pagar o actual seleccionador?
Como segurar o treinador americano por três anos, conforme pretensão da FAB, expressa no contrato. Não é expectável que o seleccionador americano aceite receber ordenados em kwanzas. Ou terá a FAB um canal a partir do qual irá ter sempre divisas para honrar o compromisso?
O maior receio dos adeptos da modalidade é assistirem o “síndrome Renard”. Ou seja, ver o treinador americano a abandonar o projecto por incumprimento contratual, o que seria mais um vexame para o desporto nacional, e pior do que isso, constituir-se num factor inibidor para outros treinadores e jogadores estrangeiros.
É uma realidade que o desporto nacional acostumou-se a assistir à distância. Ler e ouvir da imprensa estrangeira, com nomes de outros países como a Nigéria, Congo Democrático e Camarões, só para citar estes, como exemplos desta prática.
O desporto nacional sempre tutelou de maneira angelical a sua imagem, evitando crises dessa natureza. Ver um treinador (estrangeiro) a abandonar a selecção de futebol ou de basquetebol nunca tinha acontecido, até o treinador francês dar o pontapé de saída.
Do exposto, resulta que a Federação Angolana de Basquetebol tem a obrigação de evitar essa imagem, a de o treinador bater com a porta por falta de salários ou outras obrigações contratuais, o que seria manchar o desporto nacional.
Esquivando quaisquer riscos desnecessários numa altura em que a Selecção Nacional não tem grandes objectivos, a federação bem poderia encontrar na praça nacional um treinador à altura de qualificar o \"cinco\" nacional para o Mundial.
Mas estando selado o contrato, agora é esperar que a federação, representado na pessoa de Hélder Cruz, cumpra a sua parte, proporcionando também as melhores condições de trabalho para que William Voigt e sua equipa possam desenvolver o seu trabalho sem grandes constrangimentos.

Últimas Opinies

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Vamos voltar a ter futebol (fim)

    As contas do MINJUD são contas do Estado e para acompanhar o discurso presidencial é preciso serem auditadas e publicadas, dando assim exemplo aos agentes desportivos, cujos duodécimos o próprio Estado ignora como são realmente aplicados, pois, também os clubes e Associações não cultivam a auditoria das suas contas.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Partido MPLA: corrija o que est mal

    Ao contrário do que muitas pessoas pensam ou chegam até mesmo a defender de que o desporto e a política mais do que intrinsecamente separados, devem estar “legalmente” divorciados, devo estar certo ao afirmar que o desporto e a política, são “irmãos gémeos, porém de pais e mães diferentes”.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Se o Presidente prometeu, venham ento os apoios !

    Julgo que não é para politicar , só é para lembrar. No sábado passado - e isto foi notícia neste jornal, o MPLA teve um encontro com dirigentes desportivos para se projectar  futuro melhor desta área social, porque João Lourenço, enquanto foi candidato do MPLA a Presidente da República, já chegou a ter um encontro alargado com os dirigentes, técnicos, agentes desportivos, atletas e Imprensa desportiva, no Centro de Conferências de Belas, em Luanda.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Citaes

    Sinto uma grande honra de estar à frente destes rapazes, diante de um público como este. Obrigado aos jogadores.

    Ler mais »

Ver todas »