Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A crise e o novo tcnico

17 de Novembro, 2017
A crise das divisas, do dólar em particular, tem imposto aos clubes e às federações restrições na contratação de jogadores e treinadores estrangeiros. Muitos jogadores abandonaram o País, aceitando salários e competições menos expressivas do que receber os kwanzas, cuja circulação restringe-se aos espaço territorial de 1.246. 700 Km2.
Tem sido por isso avisado, aos clubes e às federações, centralizar as atenções para o mercado nacional, encontrando jogadores e treinadores à altura dos seus interesses. Contra todas as expectativas, porém, a Federação Angolana de Basquetebol foi ao mercado americano buscar um treinador para o \"cinco\" nacional.
E na ausência de uma informação acabada dos gestores do basquetebol nacional, uma procissão de perguntas se coloca. As primeiras das quais, onde e como a FAB irá pagar o actual seleccionador?
Como segurar o treinador americano por três anos, conforme pretensão da FAB, expressa no contrato. Não é expectável que o seleccionador americano aceite receber ordenados em kwanzas. Ou terá a FAB um canal a partir do qual irá ter sempre divisas para honrar o compromisso?
O maior receio dos adeptos da modalidade é assistirem o “síndrome Renard”. Ou seja, ver o treinador americano a abandonar o projecto por incumprimento contratual, o que seria mais um vexame para o desporto nacional, e pior do que isso, constituir-se num factor inibidor para outros treinadores e jogadores estrangeiros.
É uma realidade que o desporto nacional acostumou-se a assistir à distância. Ler e ouvir da imprensa estrangeira, com nomes de outros países como a Nigéria, Congo Democrático e Camarões, só para citar estes, como exemplos desta prática.
O desporto nacional sempre tutelou de maneira angelical a sua imagem, evitando crises dessa natureza. Ver um treinador (estrangeiro) a abandonar a selecção de futebol ou de basquetebol nunca tinha acontecido, até o treinador francês dar o pontapé de saída.
Do exposto, resulta que a Federação Angolana de Basquetebol tem a obrigação de evitar essa imagem, a de o treinador bater com a porta por falta de salários ou outras obrigações contratuais, o que seria manchar o desporto nacional.
Esquivando quaisquer riscos desnecessários numa altura em que a Selecção Nacional não tem grandes objectivos, a federação bem poderia encontrar na praça nacional um treinador à altura de qualificar o \"cinco\" nacional para o Mundial.
Mas estando selado o contrato, agora é esperar que a federação, representado na pessoa de Hélder Cruz, cumpra a sua parte, proporcionando também as melhores condições de trabalho para que William Voigt e sua equipa possam desenvolver o seu trabalho sem grandes constrangimentos.

Últimas Opinies

  • 13 de Agosto, 2018

    Marketing desportivo no vai morrer amanh!

    Que o desporto e o marketing estão numa relação do tipo, “ epá sem ti eu não vivo, e sem você eu não existo”, já algum tempo, isso todos nós sabemos.

    Ler mais »

  • 13 de Agosto, 2018

    Devedores do BPC e o exemplo de Messi

    Não quero citar aqui os nomes, porque quem vive na cidade sabe quem são... mas isto posso dizer: algumas das figuras do nosso desporto nacional, e do futebol em particular, todos eles revelados o ano passado,  numa assustadora lista que veio a público, não se sabe porque engenharia, como tendo afinal contraído créditos agora mal parado, no maior banco público nacional -  e estou a falar do Banco de Poupança e Crédito -  é um assunto, é uma realidade, que vem destapar o véu e dar a ver que há clubes da batota, que só estão na alta roda do nosso campeonato, porque os dinheiros que os sustentam não são honrados.

    Ler mais »

  • 13 de Agosto, 2018

    Citaes

    Muitos clubes participaram nos seus campeonatos locais provinciais, mas não estavam legais do ponto de vista administrativo. Alguns processos podem levar algum tempo e, para não criármos dificuldades, tivemos que devolver.

    Ler mais »

  • 11 de Agosto, 2018

    "Quatro anos sem pena"

    Em duas ocasiões recentes Angola acaba de ver consagrado Demarte Pena em Top Angolano do desporto, enquanto no espaço de menos dum mês arrebatou os Prémios ‘Globo de Ouro’ e ‘Novo Jornal & Expansão’, referentes a 2017.

    Ler mais »

  • 11 de Agosto, 2018

    Maputo o alvo a seguir do pas

    Angola é um país que, desde muito cedo, começou a se afirmar na arena do desporto. Nesse aspecto é conveniente realçar que, logo após a conquista da Independência Nacional.

    Ler mais »

Ver todas »