Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A elite da AfroLiga

18 de Fevereiro, 2019
As equipas de basquetebol do 1º de Agosto e do Petro de Luanda asseguraram passe para disputa da elite G8 da AfroLiga. Quer a turma do “Rio Seco”, quer a do “Eixo-Viário”, que somam oito e dois títulos nesta elite de clubes da «bola ao cesto», acabaram por ter uma prestação aceitável na disputa da primeira e segunda janelas, referentes aos grupos C e D da competição, cuja próxima etapa entram em cena o A e B.
Os militares, que foram os primeiros a entrar em acção na prova que anteriormente era designada por Taça dos Clubes Campeões Africanos, impuseram-se, com atitude ousada, perante dos seus adversários do Grupo C, vencendo os três jogos.
Perseguindo o nono título na competição e sendo, em consequência disso, a equipa com o maior número de conquistas a nível de África, os agostinos começaram por despachar o Al Ahly do Egipto, com uma vitória de 86-77.
Já na segunda jornada, os pupilos de Paulo Macedo voltaram a não conceder qualquer facilidade, batendo o REG do Rwanda por 70-64, ao passo que no fecho das contas desta fase disputada, no Egipto, vergaram o Ferroviário da Beira de Moçambique por copiosos 87-55.
A equipa rubro-negra obteve, assim, um coeficiente de 243 pontos, correspondente a uma média de 81 por cada um dos desafios desta etapa.
Após assegurar o primeiro lugar do Grupo C a equipa das Forças Armadas Angolanas aguardará até o início do mês de Março pelo adversário da etapa seguinte, designada por elite G8 da AfroLiga dos clubes campeões sénior masculino de basquetebol.Já o Petro de Luanda, o outro embaixador angolano nesta prova, embora não tenha atingido o pleno no Grupo D, fruto da derrota ontem, em Antananarivo, diante do Smouha do Egipto, por 79-62, também garantiu o passe para a elite G8.
Os pupilos do camaronês Lazare Adingono começaram com uma vitória frente ao Club Ominisports Police Nationale (COSPN) do Magáscar, por 99-76, com favoráveis 41-33 ao intervalo, no Palácio dos Desportos Mahamasina, na capital deste país, Antananrivo.
A qualificação da equipa, em antecipação para a elite G8, ocorreu fruto da vitória na segunda jornada do grupo sobre o BCMazembe da República Democrática do Congo (RDC), por 74-61, mas ainda assim perdeu a oportunidade de lograr o primeiro posto do grupo, pela já referenciada derrota diante da turma egípcia, em Antananarivo.
Após a disputa da terceira jornada desta competição anteriormente designada Taça dos Clubes Campeões Africanos, a equipa tricolor obteve um coeficiente de 235 pontos, uma média de 78,3 por cada um dos jogos efectuados nesta fase.
É importante salientar que de 22 de Março a 14 de Abril próximos ocorre a disputa da elite G8 desta AfroLiga, da qual farão parte as oito equipas melhor classificadas desta fase de grupos.
Já a \'final-four\' da competição, que tem como detentor do troféu o AS Salé do Marrocos, disputa-se entre os dias 3 e 8 de Maio próximo. Até lá os dois embaixadores angolanos na prova vão procurar ensaiar estratégias com vista a uma campanha exitosa nesta elite do basquetebol africano. E que assim seja...


Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »