Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A febre do futebol

23 de Fevereiro, 2019
Depois do cerrar das cortinas do primeiro turno, com o duelo entre o Sagrada Esperança e o Petro de Luanda, que se saldou num empate nulo, as emoções do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola Zap 2018/2019, regressam na próxima terça-feira. É o recomeço das hostilidades da maior prova do nosso “association” e que leva a alegria para os vários estádios espalhados pelo país.
Para já, 16 equipas voltam a estar perfiladas neste retorno da prova apontada como o ópio do povo. A febre do futebol que caracteriza o nosso Girabola Zap reata com a disputa da segunda volta, depois de um primeiro turno marcado por alguns espinhos.
Mas, enfim, entre o optimismo de uns e o cepticismo de outros, o Girabola Zap das nossas emoções faz disputar, a partir da próxima semana, a sua fase crucial, numa refrega em que cada um dos intervenientes busca a melhor classificação possível.
É claro que do lote das 16 equipas que desfilam neste carrossel da maior prova do futebol nacional, todas almejavam cortar a meta em primeiro lugar, mas, para já, este é um desiderato reservado apenas ao conjunto, que melhor fazer por merecê-lo.
E nessa de candidatos a “pole-position” surgem, inequivocamente, equipas como o 1º de Agosto, nas vestes de detentor do troféu, e o Petro de Luanda, nas de vice-campeão. Aliás, quer os militares do “Rio Seco”, quer os tricolores do “Eixo-Viário”, entram sempre rotulados como crónicos candidatos ao título da prova, não só pelo facto de se exibirem como campeão e vice-campeão, mas sobretudo pelo facto de serem hoje os maiores papões desta prova, que ganhou, nos últimos anos, o cognome de Girabola Zap.
O D’Agosto, que corre em busca do inédito penta-campeonato do seu historial soma hoje por hoje 12 títulos contra 15 do “arqui-rival” Petro de Luanda.
Porém, é preciso ter em conta o facto de a disputa do campeonato não se restringir tão-somente a estes dois emblemas do futebol nacional, colocados nesse momento no 1º e 2º postos da tabela de classificação geral com 33 e 31 pontos, respectivamente.
Há inequivocamente outras equipas concorrentes na jogada. É o caso do Kabuscorp do Palanca, detentor de um troféu, que, à passagem da primeira volta do campeonato, ocupa o quarto lugar com 25 pontos.
O Clube Desportivo da Huíla (CDH), embora assumidamente não apareça na lista de candidatos, por força do terceiro posto que ocupa na tabela, com 28 pontos, dá mostras claras de estar na competição para ombrear com quem quer que seja. O Sagrada Esperança, que na quarta-feira impôs um rigoroso empate nulo ao Petro, no Dundo, Lunda Norte, em jogo de acerto a 6ª jornada e que cerrou as contas do primeiro turno, embora tem vindo a alternar “bons” e “maus” resultados, não deixa de ser também um conjunto a ter em conta na disputa do título. Os diamantíferos, neste momento alocados no 6º posto da tabela com 19 pontos, tal como o Libolo e o Interclube, actuais 9º e 10º colocados com 17 cada e que se apresentam, esta época, com alguns furos abaixo, não deixam de entrar no segundo turno rotulados como candidatos. O FC Bravos do Maquis do Moxico e o Santa Rita de Cássia do Uíge também tiveram um desempenho aceitável na primeira volta.
Já sobre a linha de água estão praticamente as equipas agrupadas da 11ª posição a 16ª e última, em que aparecem sucessivamente o Atlético Sport Aviação (ASA), Académica do Lobito, Saurimo FC, Sporting de Cabinda e o Cuando Cubango FC.

Últimas Opinies

  • 14 de Dezembro, 2019

    Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

    O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os nossos atletas estão a corresponder com aquilo que nós almejamos, tentar fazer sempre o nosso melhor, no sentido de disputarmos um campeonato tranquilo para que consigamos, também, na parte final do campeonato, termos essa tranquilidade e a permanência assegurada.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Quem salva o ASA

    Campeão das edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão de 2002, 2003 e de 2004, respectivamente, o Atlético Sport Aviação (ASA), um clube cuja existência remonta desde o longínquo 1 de Abril de 1953, corre o risco de extinguir a sua equipa principal.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Vale a pena continuar a acreditar nos nossos representantes?

    A caminho da terceira jornada, os dois representantes angolanos na fase de grupos de Liga do  Campeões Africanos, continuam a decepcionar. Na primeira jornada, os militares perderam dois preciosos pontos na recepção aos zambianos do Zesco United, enquanto os petrolíferos foram goleados por três bolas a zero em casa do Mamelodi Sundowns da África do Sul.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

Ver todas »