Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A FIFA e o Kabuscorp

07 de Maio, 2018
A vinda do brasileiro Rivaldo para o futebol angolano, com a camisola do Kabuscorp do Palanca, trouxe benefícios para Angola e para o clube do Palanca.
A estada do campeão do Mundo pelo Brasil no Mundial da Coreia do Sul e do Japão em 2002 e também melhor jogador da FIFA, permitiu a Angola e ao Kabuscorp terem mais visibilidade lá fora, pelo que a contratação foi uma grande jogada de longo alcance da direcção do clube.
É evidente, que um investimento de tamanha monta tinha de ser oneroso, e é aí que as coisas começaram a complicar-se para a agremiação angolana, começaram a falhar os compromissos salariais com o jogador.
Rivaldo chegou a Angola por uma porta grande, aberta pelo Kabuscorp, entretanto, acabou por sair por uma portinhola que em nada dignificava o seu estatuto de grande jogador de futebol, reconhecido pelo mundo inteiro.
A assinatura do contrato entre o clube angolano e o jogador era de um ano, o brasileiro em 21 jogos marcou 11 golos. Com a consumação da sua saída, começaram os problemas entre o jogador e a agremiação, com o primeiro a reclamar valores salariais que o clube recusava pagar, a divergência já se arrasta desde há algum tempo, com a FIFA a entrar na jogada por via de uma solicitação do atleta, com o fito de ver solucionado o problema por intermédio do órgão competente da Federação Internacional.
A recente perda de seis pontos, no Girabola, foi uma medida tomada pela FIFA para pressionar o clube a pagar a dívida que o clube reconhece que tem com o jogador, e cujo caso pode ter novos episódios.
O Kabuscorp reconhece justeza na aplicação do castigo, por não pagamento de cerca de 70 mil dólares ao antigo internacional da selecção brasileira, todavia, alega que tem dificuldades de pagar o que deve, devido à crise de divisas no país.
Não é esta a primeira vez que o clube angolano é notificado pelo órgão reitor do futebol mundial, a primeira foi em 2015, pelo que é crível que o organismo enverede por uma posição que dê mais sentido que as posições que tomou anteriormente e que pode chegar à despromoção do Kabuscorp.
Trata-se de uma equipa angolana em maus lençóis, o futebol angolano volta a estar na boca do mundo, desta vez pelos piores motivos, quando tenta reerguer-se desportivamente, depois de um período negro.
Rivaldo parece uma pedra grande, num sapato pequeno do Kabuscorp, uma novela que pode vir a ter um fim dramático.

Últimas Opinies

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Se for convocado para a Selecção Nacional estarei disponível, porque é um sonho de todo jogador.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Desafios para 2020

    Hoje estamos a 19 dias do fim do presente ano gregoriano. É hora de se ir olhando para aquilo que foram as conquistas desportivas do ano que se apresta ao fim.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Cad a liga?

    O ano apressa-se para o seu fim, e nada se conhece sobre a liga. Depois de Pedro Neto, então presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), ter prometido durante todo o seu consulado constituir a prova nacional do futebol numa liga, o certo é que terminou o mandato sem honrar com a sua palavra.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

Ver todas »