Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A passada tricolor

02 de Março, 2019
O Petro de Luanda tem, na tarde de amanhã, no 11 de Novembro, a oportunidade soberana de restabelecer-se do amargo de boca que teve no Egipto, frente ao Zamalek, ao permitir que o adversário chegasse ao empate, depois de liderar durante um bom trecho da segunda parte do jogo o marcador, fruto do golo de Tiago Azulão. Mas, para tal acontecer, os tricolores têm que encetar uma passada de campeão, ante os egípcios.
E porque os jogos ganham-se em campo, o Petro tem que provar que, em sua casa, é capaz perante este Zamalek, que vem revelando uma postura maleável, embora sem deixar de parte o estilo de futebol matreiro, que caracteriza as equipas do Magreb.
No duelo realizado domingo último, frente a este mesmo adversário, quase ninguém esperava que, depois de resistir à grande pressão imposta pelo Zamalek após sofrer o golo do brasileiro Tiago Azulão, o Petro pudesse permitir que as redes da sua baliza fossem violadas. E o lance, de que resultou o golo dos egípcios, parecia inofensivo.
Porém, a equipa do Catetão não pode chorar pelo leite já derramado e amanhã, frente a este mesmo Zamalek, no jogo pontuável para a quarta jornada do Grupo D da Taça da Confederação, tem que fazer pela vida para não ser surpreendida.
Nesta quarta ronda do grupo, a primeira da segunda volta, curiosamente volta a ocorrer o cruzamento entre adversários, que jogaram já no último domingo. Ou seja, nesta jornada, o Petro, que havia fechado o primeiro turno frente ao Zamalek, em casa deste, recepciona este mesmo adversário no 11 de Novembro, ao passo que o Gor Mahia do Quénia, que jogou em Nairobi com o Nasr Hussein Dey da Argélia, viaja agora para Argel, para tentar provar que o 2-0 imposto sábado último, não foi obra de mero acaso.
Tal como o jogo que opõe amanhã o Petro ao Zamalek, no 11 de Novembro, o que coloca frente-a-frente o Nasr Hussein Dey ao Gor Mahia promete, já que a liderança do grupo pode estar também em disputa.
A formação queniana, ao vencer em casa, passou a somar seis pontos e está na liderança, contra quatro dos argelinos, que partilham o segundo posto com o Petro, com os mesmos quatro, mas em vantagem, por força da vitória de 2-1 no seu reduto.
A equipa do “Eixo-Viário” pode assumir a liderança do Grupo D, caso logre uma vitória sobre o Zamalek, e no confronto entre argelinos e quenianos se registe um empate.
Um outro cenário que se abre, é o de o Petro poder partilhar a liderança com o Nasr Hussein Dey, com os mesmos sete pontos, caso ambos vençam os confrontos desta quarta jornada. E se esse desiderato se consumar, na próxima ronda, poderemos ter uma disputa acesa entre angolanos e argelinos, que testarão a capacidade um do outro, no Estádio 11 de Novembro. Nesta etapa crucial da fase de grupos da segunda maior prova de clubes do calendário da Confederação Africana de Futebol (CAF), depois da Liga dos Campeões, vamos ter, seguramente, jogos renhidos e quem melhor souber tirar partido das oportunidades, na certa, levará a água a seu moinho.
Petro, que, neste domingo e no próximo dia 10, joga diante do seu público, deve aproveitar bem o ‘factor-casa’ para, na derradeira jornada, em Nairobi frente ao Gor Mahia, assegurar o passe para os quartos de final desta prova. É uma tarefa ingente e difícil, mas não impossível.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »