Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A pensar no Afrobasket

26 de Março, 2017
Depois de ter falhado a conquista do título em 2015, a favor da Nigéria , Angola procura em primeiro lugar garantir a qualificação para, posteriormente, tentar resgatar novamente o \"anel\" continental.

Com uma nova direcção na Federação Angolana de Basquetebol, liderada por Hélder Cruz \"Maneda\" e uma nova equipa técnica, sob comando de Manuel Silva \"Gi\", espera-se que se inaugure uma nova era na Selecção Nacional, visando a defesa do título por muito mais anos, como já aconteceu num passado recente.

Apesar de se estar a seis meses da prova principal, os jogos neste torneio de qualificação vão servir para a equipa técnica nacional ter uma visão do grupo de trabalho e assim poder corrigir tudo aquilo que for necessário por forma a obter uma equipa homogénea e bastante competitiva para o grande compromisso que é o campeonato africano.

Em princípio o combinado nacional não terá grandes dificuldades para se qualificar à fase final do Afrobasket do Congo Brazzaville, a julgar pelas palavras do seleccionador na véspera do início deste torneio de qualificação. \"Penso, que os meus jogadores estão preparados, para encarar de forma objectiva esta competição. Pelo potencial que a selecção ostenta a nível do continente africano e não só, Angola acaba por ser a principal favorita à conquista do passe de acesso à fase final do Afrobasket, respeita como é evidente, os demais adversários\", disse.

Para a prova que decorre nesta altura em Lusaka (Zâmbia), a Selecção Nacional levou uma mescla de veterania e juventude, que conforma um grupo bastante optimista e determinado a fazer aquilo que lhe compete, enquanto detentor do maior número de títulos no continente, o que à partida lhe confere algum favoritismo nos jogos que vai disputar.

Temos fé que quer a equipa técnica, quer os jogadores seleccionados esbanjam confiança quanto baste para atingir o objectivo a que se propõe. Depois do desaire de 2011, em Antananarivo, Angola foi capaz, dois anos mais tarde (2013), na Costa do Marfim, de recuperar o título perdido para a Tunísia.

Dois anos depois, em 2015, na Tunísia, voltamos a deixar escapar o \"anel\" continental desta feita para a Nigéria. Agora volta a chegar o momento de uma vez mais darmos uma resposta eficaz e mostrar que apesar de tudo ainda é o nosso basquetebol o melhor em África.

É verdade que por enquanto o objectivo deve estar focado na prova que decorre em Lusaka. Mas fazer o trabalho de casa, com alguma antecedência, também pode prevenir eventuais surpresas desagradáveis.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »