Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A saga continua

22 de Abril, 2017
No Girabola em curso, as \"chicotadas psicológicas\" já vão em quatro, mais uma em relação à época passada, mas os indícios apontam para a continuidade desta saga. Progresso da Lunda Sul, FC Bravos do Maquis, Académica do Lobito e 1º de Maio de Benguela foram as equipas que já fizeram soar o alarme, mandando para casa ou para o olho da rua, os respectivos treinadores.

Paulo Figueiredo, João Pintar, António Alegre e Hélder Teixeira deixaram os lugares para os homólogos de profissão Albano César , Zeca Amaral, Finda Mozer e Agostinho Tramagal, por essa ordem.

Mas ao que tudo indica, até o término do Girabola 2017, que neste fim de semana entra no último terço da primeira volta, há ainda o risco iminente de mais treinadores terem a mesma sorte dos outros e não terminarem a missão pela qual foram contratados. Infelizmente a vida de treinador tem destas coisas, pois como se diz, estes vivem dos resultados.

Quando positivos têm o cumprimento do contrato assegurado e podem ter um sono mais tranquilo, ao contrário da situação inversa, ou seja, quando as coisas não correm de feição com a acumulação de resultados negativos. Foi mais ou menos isso que sucedeu com Paulo Figueiredo, João Pintar, António Alegre e Hélder Teixeira

Mas se olharmos para o desempenho de outras tantas equipas o cenário é quase parecido, o que pressupõe que a qualquer momento mais treinadores podem se ver apeados dos seus cargos. Falamos exactamente do ASA, cujo técnico João Machado tem inclusive um ultimato da direcção, JGM, Santa Rita, só para citar estes, não obstante o cenário poder estender-se a outras poucas equipas, incluindo as que já mudaram de treinador esta época.

Como temos feito referência, infelizmente este é o método mais fácil que as direcções dos clubes encontram para, em muitos casos, justificarem os seus próprios fracassos. Clubes há que mesmo não dando as condições necessárias para que os técnicos possam trabalhar à vontade e desenvolver o seu programa, exigem resultados que sustentem uma boa posição classificativa ou na pior das hipóteses a permanência da equipa na competição.

Está provado que nem sempre os treinadores são os \"maus da fita\", pois em muitos casos as mudanças nas equipas técnicas não alteram o \"status\" da equipa na competição, ou seja, os maus resultados continuam. Veja-se o exemplo do Bravos do Maquis e do JGM. Nada ou quase nada mudou ainda!
Comparando com a época passada, nesta e só na primeira volta se está muito próximo de atingir o número de \"chicotadas\" operadas em 2016. Na época finda, equipas como o Kabuscorp do Palanca, Porcelana FC, 1º de Maio de Benguela, Académica do Lobito, ASA e Recreativo da Caála, seis no total, foram as únicas que procederam a mudanças nas respectivas equipas técnicas. Em 2017 e ainda na primeira volta quatro já fizeram \"vida cara\".

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »