Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A vez das infra-estruturas

08 de Outubro, 2014
O desenvolvimento desportivo do país tem sido acompanhado pelo crescimento das infra-estruturas nos mais diversos cantos de Angola, porque, só com um parque desportivo à medida do nosso crescimento, é que poderemos pensar em resultados mais altos, desde o futebol à ginástica.

O esforço do Governo tem sido grande, com a alocação em tempo oportuno das verbas necessárias para que nas cidades e em outros locais surjam recintos que sirvam a juventude e o desporto.

Foi assim com os pavilhões multiusos que deram suporte aos campeonatos africanos de andebol e de basquetebol, tal como aconteceu, também, com a realização do primeiro CAN no país e do Mundial de Hóquei em Patins.

Contudo, nem sempre a gestão e o uso destes empreendimentos é bem clarificada. Sem uma gestão moderna destas infra-estruturas, em que se inclui a sua manutenção regular, e não servindo os fins para que são concebidos, pavilhões, estádios, enfim, as infra-estruturas que temos tornam-se amorfas, com o risco, grande, de se degradarem muito antes do seu tempo útil de vida.

Atento a esta questão, o Executivo, na voz do titular do Ministério da Juventude e Desportos, anunciou a realização, no próximo mês de Novembro, de um encontro nacional sobre a gestão, manutenção e uso das infra-estruturas desportivas a nível de todo país.

Uma reunião alargada com a presença de perito e manutenção de espaços desportivos com o fito de se encontrar os melhores caminhos para a melhor rentabilização dos imóveis que o país tem e que devem servir o desporto. “Vamos muito brevemente fazer uma grande discussão a nível nacional sobre a gestão, manutenção e uso das infra-estruturas desportivas a nível de todo país.

Vamos fazer uma grande reunião para definirmos e depois propor ao Estado uma política de gestão das infra-estruturas desportivas sobretudo as públicas porque apesar de serem privadas dos clubes, estamos preocupados também com elas no sentido de que quando melhor forem geridas também melhor se realiza o desporto, melhor também é o resultado.

Por isso, esta grande reunião será com a participação de gestores de infra-estruturas quer publica e privados, uma vez que vamos querer ouvir a sua contribuição e ideias”. Palavras do ministro Muandumba que reflectem a preocupação do Executivo em relação a estas questões, ao contrário do apregoado algumas vezes, que apontam um certo adormecimento das estruturas governativas em relação à problemática das infra-estruturas desportivas.

Ao contrário do período pré-independência, em que se contavam os empreendimentos desportivos para servirem a juventude e os desportistas nacionais, hoje o cenário é outro, e o país pode orgulhar-se de ter um parque desportivo como um dos melhores do continente, construído, maioritariamente, neste período que compreende os anos de Paz que tem. É obra.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »