Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Africano de Maputo e aspirao ao pdio

09 de Agosto, 2018
A equipa nacional de basquetebol feminina de Sub-18 já respira os ares de Maputo, Moçambique, palco de 10 a 19 do corrente mês, do Campeonato Africano da categoria e onde Angola espreita o pódio.
As comandadas de Anibal Moreira têm, como objectivo traçado, a melhoria do 4º lugar alcançado há dois anos no \"Africano\" do Cairo, Egipto, daí, a necessidade de se apresentarem ao melhor nível, para ocupar um dos lugares que dá acesso ao pódio.
A anteceder a viagem para o palco da competição, apesar do manifesto feito em relação a prontidão do conjunto, o seleccionador nacional mostrou-se pouco entusiasta, devido a alguns contratempos que surgiram durante a preparação levada a cabo no país.
Um desses contratempos prendeu-se com a ausência da base Rafaela Henriques, que actua no Benfica do Montijo, que competiu recentemente com a Selecção de Sub-17 no Mundial em Minsk, Bielorrússia, ganho pelos Estados Unidos, e onde Angola ocupou o último lugar.
Para colmatar a ausência da base do Benfica de Montijo, o técnico Aníbal Moreira \"repescou\" várias jogadores do combinado nacional de basquetebol de Sub-17, com particular realce para a extremo Alexia Dizeco, da formação do Sion da Suiça.
Ao que nosso jornal apurou, Rafaela Henriques está, nessa altura, \"refugiada\" em Portugal, país onde actua e reside, depois de ter estado ao serviço a Selecção Nacional de Sub-17 no Mundial da categoria, realizado na Bielorrúsia.
Não obstante essa lacuna com que se depara, a equipa de Sub-17 feminina da «bola ao cesto» e a fazer fé no velho aforismo popular de que \"quem não tem cão caça com gato\", o técnico pode \"remediar\" a situação com as jogadoras que tem à sua disposição.
Independentemente da falta de informação, acerca da atleta do Benfica do Montijo, que abre na equipa um precedente relativamente à posição zero-um, o técnico Aníbal Moreira não conta também no conjunto com uma lançadora de raiz.
Apesar dessas e outras situações à volta do \"cinco nacional\", o seleccionador nacional está confiante numa boa campanha, face à pré-disposição do grupo e bom trabalho de casa realizado, durante a fase de preparação.
Aliás, os jogos de controlo feitos com equipas seniores, como o Núcleo do Interclube de Benguela, 1º de Agosto-B e Desportivo Maculusso, conferiram ao grupo maior endurance e grau de competitividade.
Aníbal Moreira aponta a falta de estágio pré-competitivo fora do país, como a principal nota negativa do ciclo preparatório, mas isso não inviabiliza a pretensão do conjunto ir à Maputo tentar ombrear com todos os adversários, que cruzarem o seu caminho.
É importante salientar que, além de Angola e da selecção anfitriã, Moçambique, vão competir ainda neste \"Africano\" as selecções do Uganda, Cabo Verde, Egipto, Tunísia, Argélia, Mali, Madagáscar e Ruanda.
Por outro lado, a reunião técnica para a definição dos grupos do campeonato, acontece hoje, numa das unidades hoteleiras da capital moçambicana.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »