Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Africano de Maputo e aspirao ao pdio

09 de Agosto, 2018
A equipa nacional de basquetebol feminina de Sub-18 já respira os ares de Maputo, Moçambique, palco de 10 a 19 do corrente mês, do Campeonato Africano da categoria e onde Angola espreita o pódio.
As comandadas de Anibal Moreira têm, como objectivo traçado, a melhoria do 4º lugar alcançado há dois anos no \"Africano\" do Cairo, Egipto, daí, a necessidade de se apresentarem ao melhor nível, para ocupar um dos lugares que dá acesso ao pódio.
A anteceder a viagem para o palco da competição, apesar do manifesto feito em relação a prontidão do conjunto, o seleccionador nacional mostrou-se pouco entusiasta, devido a alguns contratempos que surgiram durante a preparação levada a cabo no país.
Um desses contratempos prendeu-se com a ausência da base Rafaela Henriques, que actua no Benfica do Montijo, que competiu recentemente com a Selecção de Sub-17 no Mundial em Minsk, Bielorrússia, ganho pelos Estados Unidos, e onde Angola ocupou o último lugar.
Para colmatar a ausência da base do Benfica de Montijo, o técnico Aníbal Moreira \"repescou\" várias jogadores do combinado nacional de basquetebol de Sub-17, com particular realce para a extremo Alexia Dizeco, da formação do Sion da Suiça.
Ao que nosso jornal apurou, Rafaela Henriques está, nessa altura, \"refugiada\" em Portugal, país onde actua e reside, depois de ter estado ao serviço a Selecção Nacional de Sub-17 no Mundial da categoria, realizado na Bielorrúsia.
Não obstante essa lacuna com que se depara, a equipa de Sub-17 feminina da «bola ao cesto» e a fazer fé no velho aforismo popular de que \"quem não tem cão caça com gato\", o técnico pode \"remediar\" a situação com as jogadoras que tem à sua disposição.
Independentemente da falta de informação, acerca da atleta do Benfica do Montijo, que abre na equipa um precedente relativamente à posição zero-um, o técnico Aníbal Moreira não conta também no conjunto com uma lançadora de raiz.
Apesar dessas e outras situações à volta do \"cinco nacional\", o seleccionador nacional está confiante numa boa campanha, face à pré-disposição do grupo e bom trabalho de casa realizado, durante a fase de preparação.
Aliás, os jogos de controlo feitos com equipas seniores, como o Núcleo do Interclube de Benguela, 1º de Agosto-B e Desportivo Maculusso, conferiram ao grupo maior endurance e grau de competitividade.
Aníbal Moreira aponta a falta de estágio pré-competitivo fora do país, como a principal nota negativa do ciclo preparatório, mas isso não inviabiliza a pretensão do conjunto ir à Maputo tentar ombrear com todos os adversários, que cruzarem o seu caminho.
É importante salientar que, além de Angola e da selecção anfitriã, Moçambique, vão competir ainda neste \"Africano\" as selecções do Uganda, Cabo Verde, Egipto, Tunísia, Argélia, Mali, Madagáscar e Ruanda.
Por outro lado, a reunião técnica para a definição dos grupos do campeonato, acontece hoje, numa das unidades hoteleiras da capital moçambicana.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »