Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Africano de Maputo e aspirao ao pdio

09 de Agosto, 2018
A equipa nacional de basquetebol feminina de Sub-18 já respira os ares de Maputo, Moçambique, palco de 10 a 19 do corrente mês, do Campeonato Africano da categoria e onde Angola espreita o pódio.
As comandadas de Anibal Moreira têm, como objectivo traçado, a melhoria do 4º lugar alcançado há dois anos no \"Africano\" do Cairo, Egipto, daí, a necessidade de se apresentarem ao melhor nível, para ocupar um dos lugares que dá acesso ao pódio.
A anteceder a viagem para o palco da competição, apesar do manifesto feito em relação a prontidão do conjunto, o seleccionador nacional mostrou-se pouco entusiasta, devido a alguns contratempos que surgiram durante a preparação levada a cabo no país.
Um desses contratempos prendeu-se com a ausência da base Rafaela Henriques, que actua no Benfica do Montijo, que competiu recentemente com a Selecção de Sub-17 no Mundial em Minsk, Bielorrússia, ganho pelos Estados Unidos, e onde Angola ocupou o último lugar.
Para colmatar a ausência da base do Benfica de Montijo, o técnico Aníbal Moreira \"repescou\" várias jogadores do combinado nacional de basquetebol de Sub-17, com particular realce para a extremo Alexia Dizeco, da formação do Sion da Suiça.
Ao que nosso jornal apurou, Rafaela Henriques está, nessa altura, \"refugiada\" em Portugal, país onde actua e reside, depois de ter estado ao serviço a Selecção Nacional de Sub-17 no Mundial da categoria, realizado na Bielorrúsia.
Não obstante essa lacuna com que se depara, a equipa de Sub-17 feminina da «bola ao cesto» e a fazer fé no velho aforismo popular de que \"quem não tem cão caça com gato\", o técnico pode \"remediar\" a situação com as jogadoras que tem à sua disposição.
Independentemente da falta de informação, acerca da atleta do Benfica do Montijo, que abre na equipa um precedente relativamente à posição zero-um, o técnico Aníbal Moreira não conta também no conjunto com uma lançadora de raiz.
Apesar dessas e outras situações à volta do \"cinco nacional\", o seleccionador nacional está confiante numa boa campanha, face à pré-disposição do grupo e bom trabalho de casa realizado, durante a fase de preparação.
Aliás, os jogos de controlo feitos com equipas seniores, como o Núcleo do Interclube de Benguela, 1º de Agosto-B e Desportivo Maculusso, conferiram ao grupo maior endurance e grau de competitividade.
Aníbal Moreira aponta a falta de estágio pré-competitivo fora do país, como a principal nota negativa do ciclo preparatório, mas isso não inviabiliza a pretensão do conjunto ir à Maputo tentar ombrear com todos os adversários, que cruzarem o seu caminho.
É importante salientar que, além de Angola e da selecção anfitriã, Moçambique, vão competir ainda neste \"Africano\" as selecções do Uganda, Cabo Verde, Egipto, Tunísia, Argélia, Mali, Madagáscar e Ruanda.
Por outro lado, a reunião técnica para a definição dos grupos do campeonato, acontece hoje, numa das unidades hoteleiras da capital moçambicana.

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »