Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Agitao no Progresso

08 de Dezembro, 2018
As águas estão agitadas, lá, para os lados do Sambila. O Progresso Associação do Sambizanga, um dos maiores emblemas da capital, pode estar a viver o pior momento da sua existência. Afectado pela crise financeira que a todos aflige, nos dias presentes, há largos meses que está em dívida com relação aos activos, sobretudo, com o pessoal administrativo.
Tudo indica, que a situação estava a ser gerida internamente, em obediência à concertações entre a direcção e os trabalhadores. Porém, ao incumprimento de uma das partes, no caso a patronal, a lavandaria perdeu as paredes, a roupa está a ser lavada na praça pública. Os lesados vieram a público, em jeito de desabafo e abriram o livro. A coisa está feia.
Diz-se, que à excepção do plantel de futebol, funcionários e atletas que respondem a outras modalidades decidiram paralisar as actividades, por não receberem os honorários há 18 meses, o que na verdade representa um período de tempo colossal, para quem tenha responsabilidades familiares, como parece ser o caso da esmagadora maioria.
Não se sabe ao certo, como o caso se arrastou até chegar à este extremo. Terá o clube perdido os patrocinadores que tinha? Algum \"assalto\" aos cofres? São inquietações que apenas a direcção estará em condições de responder. Esta, porém, anda foragida ou faz recurso a um termo mais simpático, anda incomunicável.
Desde que despoletou o caso, esforços são envidados para contactar a direcção do clube e ouvir a versão no quadro do recomendado cruzamento de informação, porém, sem sucesso. Não se consegue a comunicação, quer com o presidente Paixão Júnior, ou com o seu vice, Manuel Dias dos Santos.
Pensa-se que o caso vem de há muito, contudo, a direcção foi remediando aqui e ali. E, talvez a colocar o futebol em posição privilegiada, como o cartão de visitas da colectividade. Só assim, se pode compreender, que tenha terminado o último Girabola sem qualquer murmúrio, predispondo-se depois à edição seguinte, agora em curso. Se calhar, ainda assim, com alguns pendentes.
Aliás, a rescisão com o técnico Hélder Teixeira, por alegada falta de verbas para manter os seus salários, quando até estava a fazer uma boa época, foi o que precipitou a questão. Ficou subentendido, que o clube estava a passar por algumas dificuldades financeiras que podiam denunciar outras situações, eventualmente, camufladas.
Como se diz, a mentira é como o azeite em água, tudo veio à superfície, a meio da semana. Entretanto, o que escapa à nossa compreensão, é como a direcção permitiu que as coisas chegassem a este ponto! Em gestão, quando nos chegam os sinais de crise, há como acautelar as coisas. Mesmo sem a mesma renda do passado, o clube podia não apostar em contratações onerosas, se fosse o caso podia reduzir o pessoal administrativo.
Permitiu-se que as coisas chegassem até onde chegou, as consequências podem ser drásticas. Os funcionários podem levar o clube aos órgãos de Justiça, modalidades de menor expressão podem ser extintas, mesmo o futebol pode não ter condição para aguentar o Girabola até ao fim. Portanto, muita coisa pode acontecer nas hostes do clube sambila, nos próximos dias. De resto, do Progresso não se espera progresso...

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »