Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Ambies legtimas

02 de Janeiro, 2016
Angola participa mais uma vez, no campeonato africano júnior de xadrez e mais uma vez, com ambições legítimas de conquistar os títulos em disputa.

O xadrez angolano está bem lançado, já subiu ao pódio por diversas vezes e como resultado, com a atribuição de normas para os nossos jogadores.
Desta feita, nas Seychelles, a participação angolana pode resultar na atribuição de um título de Grande Mestre para a xadrezista Esperança Caxita, caso a jogadora consiga triunfar.

Desde a obtenção do primeiro título de Mestre Internacional, na altura para Manuel Mateus, o país persegue a norma de GM, sem nunca ter atingido o objectivo. Jogadores como Francisco Biffel, Alexandre Nascimento, Armindo Sousa, de entre outros, por diversas vezes defenderam com brilho as cores do país em Olimpíadas e campeonatos africanos, mas o título de Grande Mestre nunca sorriu para o país.

Agora nas Seychelles, Esperança Caxita pode tornar-se na primeira Grande Mestre do país, numa prova que promete ser renhida, dado a pontuação Elo dos participantes, tanto em masculino como em feminino, e na qual a jogadora angolana tem como principal adversária uma competidora do Egipto.

São ambições legítimas, para um país que muito tem dado ao xadrez africano, facto já reconhecido por altas figuras do xadrez mundial.

A realização no país, de torneios internacionais com a presença de jogadores fortes com pontuação Elo bastante alta, permite aos xadrezistas angolanos e africanos, elevarem a pontuação internacional.

Angola sempre teve uma forte tradição, desde o famoso torneio Cidade de Luanda, às provas organizadas por duas empresas cervejeiras, com alto nível organizativo.

O campeonato das Seychelles, longe de ser mais um Africano, pode tornar-se num marco para o xadrez angolano. Pese algumas dificuldades, os xadrezistas nacionais foram para o palco da competição com objectivos bem definidos, porque esperam representar da melhor forma o país.

O clima de expectativa reinante, nas lides escaquísticas e não só, tem a sua razão de existir, porque o xadrez nacional pode atingir um objectivo que os nossos jogadores perseguem há anos.

Com Caxita, Angola pode ter o seu primeiro Grande Mestre, norma que só os grandes jogadores conseguem atingir, e por isso mesmo, nunca está ao alcance de todos.

De resto, pode ser também, um prémio justo para uma jogadora que acredita sempre nas suas potencialidades.
Vamos acreditar.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »