Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Ao trabalho campeo

15 de Fevereiro, 2017
A equipa do 1º de Agosto foi o primeiro representante angolano a entrar em cena nas Afrotaças, ao disputar em Kampala a primeira mão da eliminatória inicial de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, ao que se seguirá o Recreativo do Libolo na Taça da Confederação, na qualidade de vencedor da Taça de Angola.

O conjunto, em terreno alheio, terá conseguido um resultado que lhe pode abrir as portas para seguir em frente, derrota mínima de uma bola a zero, bastando para tal que no jogo do próximo fim-de-semana marque dois golos, no mínimo, sem sofrer nenhum ao Kampala City para assegurar a continuidade.

Contudo, caldos e cautelas nunca fizeram mal a ninguém e o campeão angolano tem de ter em conta que essa magra desvantagem pode ser, num outro ângulo, um resultado enganador, porquanto basta os ugandeses numa eventual desatenção da equipa angolana marcar um golo para complicar as suas contas quanto à sua permanência na maior prova de clubes da CAF.

Os angolanos esperam da turma militar uma postura que dignifique esse regresso às Afrotaças, a igual do que aconteceu em situações anteriores, em que tivemos equipas angolanos a disputarem finais.

Com isso, o futebol angolano ganhou mais visibilidade no continente, e permitiu que o país tivesse mais representatividade nas competições africanas de clubes, com quatro formações a disputarem a primeira fase.

O 1º de Maio de Benguela e o Interclube são equipas que foram finalistas vencidas, o próprio 1º de Agosto já chegou longe numa competição da CAF, quando numa final acabou derrotado pelos tunisinos do Esperance de Tunes na então Taça das Taças, que evoluiu depois para a actual Taça da Confederação.

Jogar um jogo de uma eliminatória é diferente de defini-la em casa, e o 1º de Agosto tem essa pequena vantagem de no jogo da segunda-mão poder ter o incentivo do seu público e dos adeptos angolanos.

O facto de desfilar na competição como único representante do país, vai, certamente, colocar do seu lado todos os angolanos, independentemente das cores clubistas, porque é sempre o futebol angolano que ganha em caso de triunfo do seu representante.

É ponto assente que o jogo não será fácil, mas o trabalho de casa tem de ser bem feito para que no final da eliminatória os angolanos possam sorrir com mais um triunfo, algo que está ao seu alcance, sem desprimor para o adversário.

O campeão angolano sabe que não deve facilitar se quiser continuar em competição. Tirar partido do factor casa é um imperativo para seguir em frente, numa competição em que é proibido errar.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »