Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Apelo ao trabalho

02 de Outubro, 2014
A Selecção Nacional sénior feminina de basquetebol fechou na segunda-feira a sua primeira participação num Campeonato do Mundo. Na prova que decorre na Turquia, o combinado nacional às ordens de Aníbal Moreira disputou apenas os três jogos correspondentes à fase preliminar, tendo averbado igual número de derrotas.

Apesar de uma preparação aturada, com estágio à mistura, as campeãs africanas encerraram a primeira presença no mundial com saldo negativo em termos desportivos, mas positivo em termos de experiência adquirida, já que o contacto com selecções cotadas a nível do mundo pode ajudar a Selecção Nacional nos próximos compromissos internacionais. Os resultados averbados nos três jogos, derrota por 102-42 com a Sérvia, 65-39 com a China e 119-44 com os EUA eram previsíveis, embora se esperassem números menos dilatados. Mas em campo deu para ver a diferença competitiva entre aquelas selecções e a nossa, pelo que não se podia esperar muito mais das pupilas de Aníbal Moreira.

O importante foi a experiência internacional alcançada no contacto com selecções de topo mundial, o que permitiu às atletas angolanas a convivência com um outro tipo de basquetebol que as pode temperar para aquilo que é a sua verdadeira competição, ou seja, o Campeonato Africano das Nações, Afrobasket, que se disputa no próximo ano e no qual o país vai fazer a defesa do título conquistado em Maputo. Depois disso é preciso não esmorecer nas conquistas alcançadas até aqui. Marcar presença num mundial representou um marco para o basquetebol feminino angolano, e era bom que se continuasse a investir neste sector para que mais vezes o país pudesse estar entre a fina flor da modalidade, não apenas no escalão de seniores como nos inferiores.

Os três jogos realizados deixaram alguns indicadores positivos e, tal como disse o seleccionador nacional, é preciso continuar a apostar no contacto internacional das nossas atletas. Aníbal Moreira aventa a possibilidade de não continuar à frente do "cinco" nacional, por ter chegado ao fim do seu contrato com a federação mas também por ter novos projectos.

Contudo, o ainda responsável da equipa técnica apela à continuidade do trabalho e ao apoio da direcção da federação para o colega que eventualmente o substituir, de modo a potenciar o grupo com conhecimentos técnico e táctico para manter a hegemonia do basquetebol em África. Angola tem um grande desafio no próximo ano e é importante que se mantenha a estrutura ou base desta selecção para o Campeonato Africano. O objectivo vai ser, certamente, a revalidação, e a federação deve o quanto antes equacionar a questão do substituto de Aníbal Moreira, caso este não se mantenha no cargo de seleccionador.

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »