Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Bem-vindo 2018

01 de Janeiro, 2018
2018, o ano que hoje mesmo começa já a sua contagem regressiva, chega para os angolanos com um misto de esperanças renovadas e grandes expectativas. Com um discurso de estado diferente e um conjunto de medidas que prometem alterar o quadro actual nas diferentes esferas da vida nacional, Angola vai, certamente, continuar a ser um dos países a mobilizar as atenções do mundo.
Após as eleições gerais que deram lugar à investidura de um novo Presidente da República, a expectativa em dias cada vez melhores tomou conta de um número considerável de cidadãos que acreditam, piamente, nas mudanças prometidas durante a campanha eleitoral pelo então candidato João Manuel Gonçalves Lourenço.
Consciente de que estas mudanças não se fazem da noite para o dia, o povo espera ajudar o Presidente da República a materializar cada uma das promessas, que a serem cumpridas levarão o país a trilhar o caminho para o tão almejado desenvolvimento, que vai proporcionar aos seus cidadãos um estilo de vida diferente e melhor.
As políticas do Executivo contidas no Plano Intercalar, por um lado, e agora na recente proposta de Orçamento Geral de Estado para este ano, por outro, ajudam a perceber que a ideia é melhorar o quadro macroeconómico para se poder dar respostas aos desafios que se impõem nas mais diversas áreas que conformam o país.
Na frente desportiva, onde nos últimos tempos o país, por via das suas mais diversas selecções, tem enfrentado dificuldades para resgatar a mística que construiu até ao início da década de 90, espera-se um outro tipo de actuação daqueles a quem lhes foi confiada a missão de mudar o quadro actual, bem como dos que têm a tarefa de implementar, materializar, expandir e divulgar a política definida pelo departamento ministerial, por via das linhas orientadoras traçadas pelo titular do Poder Executivo, quer no discurso aquando da tomada de posse, quer no discurso dirigido à Nação na Assembleia Nacional por altura da abertura da legislatura.
Ou seja, aguarda-se destes - governantes, dirigentes desportivos, técnicos, atletas e demais agentes do desporto nacional - um alinhamento com o discurso de mudanças em curso, de modo que neste ano que hoje tem início, o desporto nacional comece a empreender a caminhada para travar a queda vertiginosa a que se assiste de um tempo a esta parte.
Algumas selecções nacionais entram em cena a partir deste mês nas competições africanas. Os Palancas Negras vão desfilar no CHAN do Marrocos, entre Janeiro e Fevereiro, enquanto o “sete” nacional masculino de andebol vai defender as cores nacionais no”africano” de Libreville, também neste primeiro mês do ano.
O 1º de Agosto e o Petro de Luanda também vão representar o país no continente. Seria, pois, agradável que estes embaixadores fizessem o esforço de ajudar a mudar o quadro actual do desporto angolano.
2018 já é uma realidade, e estando o país a trilhar novos caminhos através do \"comboio da esperança\", todos somos chamados a contribuir para que este se mantenha sob carris e nos conduza definitivamente para o progresso social que há muito clamamos. Bem-vindo, pois, o novo ano.

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »