Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Bem-vindo 2018

01 de Janeiro, 2018
2018, o ano que hoje mesmo começa já a sua contagem regressiva, chega para os angolanos com um misto de esperanças renovadas e grandes expectativas. Com um discurso de estado diferente e um conjunto de medidas que prometem alterar o quadro actual nas diferentes esferas da vida nacional, Angola vai, certamente, continuar a ser um dos países a mobilizar as atenções do mundo.
Após as eleições gerais que deram lugar à investidura de um novo Presidente da República, a expectativa em dias cada vez melhores tomou conta de um número considerável de cidadãos que acreditam, piamente, nas mudanças prometidas durante a campanha eleitoral pelo então candidato João Manuel Gonçalves Lourenço.
Consciente de que estas mudanças não se fazem da noite para o dia, o povo espera ajudar o Presidente da República a materializar cada uma das promessas, que a serem cumpridas levarão o país a trilhar o caminho para o tão almejado desenvolvimento, que vai proporcionar aos seus cidadãos um estilo de vida diferente e melhor.
As políticas do Executivo contidas no Plano Intercalar, por um lado, e agora na recente proposta de Orçamento Geral de Estado para este ano, por outro, ajudam a perceber que a ideia é melhorar o quadro macroeconómico para se poder dar respostas aos desafios que se impõem nas mais diversas áreas que conformam o país.
Na frente desportiva, onde nos últimos tempos o país, por via das suas mais diversas selecções, tem enfrentado dificuldades para resgatar a mística que construiu até ao início da década de 90, espera-se um outro tipo de actuação daqueles a quem lhes foi confiada a missão de mudar o quadro actual, bem como dos que têm a tarefa de implementar, materializar, expandir e divulgar a política definida pelo departamento ministerial, por via das linhas orientadoras traçadas pelo titular do Poder Executivo, quer no discurso aquando da tomada de posse, quer no discurso dirigido à Nação na Assembleia Nacional por altura da abertura da legislatura.
Ou seja, aguarda-se destes - governantes, dirigentes desportivos, técnicos, atletas e demais agentes do desporto nacional - um alinhamento com o discurso de mudanças em curso, de modo que neste ano que hoje tem início, o desporto nacional comece a empreender a caminhada para travar a queda vertiginosa a que se assiste de um tempo a esta parte.
Algumas selecções nacionais entram em cena a partir deste mês nas competições africanas. Os Palancas Negras vão desfilar no CHAN do Marrocos, entre Janeiro e Fevereiro, enquanto o “sete” nacional masculino de andebol vai defender as cores nacionais no”africano” de Libreville, também neste primeiro mês do ano.
O 1º de Agosto e o Petro de Luanda também vão representar o país no continente. Seria, pois, agradável que estes embaixadores fizessem o esforço de ajudar a mudar o quadro actual do desporto angolano.
2018 já é uma realidade, e estando o país a trilhar novos caminhos através do \"comboio da esperança\", todos somos chamados a contribuir para que este se mantenha sob carris e nos conduza definitivamente para o progresso social que há muito clamamos. Bem-vindo, pois, o novo ano.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »